sábado, 4 de julho de 2015

Campeonato brasileiro, 10ª rodada; Vasco 1 x 0 Avaí

Por Nildeval Sten

Foi sofrido, difícil, chorado, mas, por enquanto, o efeito Celso Roth vai dando certo. Melhor ganhar com um placar magro, do que frustrar sua torcida, principalmente diante de equipes mais fracas. Se resumirmos a partida, chegaremos facilmente à conclusão de que, tirando o gol de placa do Biancucchi, após roubada de bola do incansável Guiñazú, o resto da partida, foi de um nível técnico baixíssimo.


A vitória e os 03 pontos permitem fazer você sonhar(calma gente, não estou empolgado). São contas que começam a mexer com seu cérebro e fazer com que a esperança volte. Há 02 rodadas, éramos o ultimo colocado (famosa lanterna), hoje, com apenas 02 vitorias, subimos 02 posições e estamos na porta de saída do Z-4. Ao final da rodada, por critérios de desempate, ainda não sairemos de lá.


Com 10 rodadas e apenas 09 pontos (media de 0,9 por partida), ainda é cedo para se fazer contas, mas, pensando com calma, se ganhar da Chapecoense (time chato em seus domínios), e uma combinação simples já serão suficientes para deixar a zona da morte. Ainda falta trabalhar muito, o Vasco melhorou um pouquinho em relação ao que vinha apresentando no brasileirão, mas falta malandragem, saber administrar um placar magro, e também um camisa 10 que comande este time. Seria ele o Andrezinho?????


Próxima parada, Chapecoense, num sábado as 21 horas. Dia e horários ruins para o futebol. Vamos aguardar. Até lá.


Ps. Jogo chato em S. Januário ate o momento do gol e o Sport arrebentando para cima do poderoso Inter com 02 ex vascaínos. Dose viu...

segunda-feira, 29 de junho de 2015

Campeonato brasileiro, 9ª rodada; Vasco 1 x 0 Flamengo


Por: Nildeval Sten


Até que enfim. Após 300 derrotas o Vasco finalmente desencantou. Que bom que foi em cima do maior rival, um combustível certeiro para desencantar no campeonato. Contra o Avaí, não existe outro resultado que não seja a VITORIA, chance de ouro de sair da zona de rebaixamento.


Não foi fácil, os primeiros 15 minutos foram de um sofrimento sem limites, dos dois lados. Nem parecia um clássico. O Vasco finalizou 03 vezes em todo o jogo, com sorte, numa jogada sensacional pela direita, o Riascos fez seu segundo gol no campeonato, desta feita, dando a primeira e tão esperada (e suada, chorada) vitória ao Vasco.


Hoje, ficou evidente a baixa qualidade técnica de nossa equipe, que, sejamos justos, se esforçou e lutou o tempo inteiro, porem, com a vantagem no placar, apenas se defendeu na segunda etapa e levou sufoco nos 51 minutos de jogo. Foi um verdadeiro bombardeio, bolas alçadas na área, vários escanteios e muitas bolas perigosas. O goleiro, que contra o Cruzeiro havia levado um frango, se reabilitou e fez uma defesa milagrosa, evitando assim, o empate do adversário.


Ao ler os principais jornais do Pais neste dia, todos, unanimes, afirmavam ser o Flamengo o favorito, pois, o Vasco, além de mais fraco tecnicamente, não vinha bem, por outro lado, o adversário tinha, ou melhor, tem no elenco, jogadores capazes de decidir uma partida em um lance individual. Conversa fiada, ninguém levou em conta que isso pouco importa num clássico regional. A rigor, o Flamengo conseguiu ser muito pior que o Vasco, errando quase tudo...



Nosso técnico estreou com sorte. Bom para ele que, não conta com a simpatia do torcedor vascaíno. Agora, ainda que lentamente, começamos nossa contagem pelos tão sonhados 45 pontos, aqueles que vão nos garantir a permanência na serie A do próximo ano. Precisamos ser realistas, isso é tudo que podemos esperar. Muito sofrimento pela frente, prepare seu coração. Abraços e excelente semana.

quinta-feira, 25 de junho de 2015

Sobre Ronaldinhos, Roths, Léo-mouras e afins

No meu último post comentei que Eurico não queria demitir o Doriva, restava saber se o próprio teria os colhões de segurar a barra. 

Uns dizem que o pedido de demissão dele é um embuste, uma trama, que na verdade a saída é de comum interesse e fica melhor pra ele que se diga que pediu demissão, não que foi demitido. Eu não creio nisso,não acho que a diretoria nesse momento que procura se reforçar e às vésperas de um clássico, iria demitir alguém. Para mim, ele achou que o que estava fazendo não surtia mais efeito e até de uma maneira gentil, achou melhor sair para outro dar uma chacolhada no Vasco. 

É uma pena, eu gosto o trabalho do Doriva, acho que é um treinador que vai chegar longe, e desejo-lhe toda sorte, e quem sabe um dia volte pro Vasco.

Certo é que a conversa do Dorival não estava mais colando no grupo, acho que isso é fato. O problema é que o Eurico, que já disse que não está aí pra agradar a torcida, não agradou mesmo, e trouxe o técnico mais odiado pelos vascaínos; Celso Roth.

Não é preciso ser um gênio pra prever que, ou o Celso engatilha uma sequência absurda de vitórias, ou vai ter vida curta no Vasco, porque ninguém aqui esqueceu do que ele fez em 2010. Basta escalar quatro volantes para começar a vaia....

...bem, resta-me torcer pelo homem, ainda que eu o ache um treinador limitadíssimo, atrasado, retranqueiro, e que não consegue ficar xingando e gritando com jogador muito tempo. pois uma hora eles se fartam desse abuso e queimam o treinador.

--/+/--

Sobre contratações, Eurico confirmou Herrera (que se apresentou ontem), Andrezinho que deve chegar a próxima semana, e.... Léo Moura.

Todos já sabem da molecagem que aquele mal-caráter fez. Procurou o Vasco, como o Romário mesmo entregou, fechou um acordo, deu sua palavra, e depois deu pra trás. E ainda tenta tapar o sol com a peneira dizendo que não é bem assim, que se for pra anunciar sem papel assinado pode contratar o Messi....mas fato é que essa conversa fiada não está enganando ninguém. 

O que me surpreende não é nem a falta de hombridade e vergonha na cara vindo de um urubu. Oque me surpreende é vascaíno dizendo que quem está errado... é o EURICO!

Ora! Como assim?! Então você procura uma empresa pra lhe empregar, acerta salário, dá sua palavra,depois decide voltar atrás como um moleque, e quem está errado é o homem que lhe estendeu a mão porque anunciou o que já estava acordado? 

É o retrato da sociedade carioca; perdemos a vergonha na cara, perdemos a capacidade de nos indignar com o indigno!

Não existe esse negócio de "só anunciar depois que assinar", pelo menos não em 90% dos casos. Como que você vai manter uma contratação em sigilo, se hoje em dia todo mundo tem whatsapp, twitter, instagram, smartphone, etc? Não tinha uma hora que o Doriva caiu, já sabíamos que Léo Moura havia assinado, saiu em todos os veículos de imprensa. Basta um jornalista botar a noticia no grupo do whatsapp pra todo mundo saber!

E tem outra; só se assina contrato depois que o jogador comparece ao clube, faz exame médico. Até lá amigo, todo mundo já sabe. 99% das contratações vazam antes da hora, vivemos num mundo onde a notícia se espalha para miljões em questão de segundos, ninguém precisa esperar o jornal do dia seguinte.

No mesmo dia,eu vi o Mario Madzukic ser apresentado na Juventus de Turim...para assinar contrato! Ou seja; se o Europeu faz, é evento, se o Eurico faz, é amadorismo. Que coerência!

Eu não sou pró-Eurico, sou Pró-Vasco. Mas não gosto de injustiças. O homem anunciou o que todo mundo já sabia, que um jogador havia dado sua palavra para seu vice de futebol, assim como o Herrera deu, assim como o Andrezinho deu... se ele não tem caráter, a culpa é da mãe e do pai que não lhe ensinaram a ser homem, não do Eurico.

Sobre o Andrezinho, que deve se apresentar no início da próxima semana, é fato que é o tipo de meio campo que o Vasco precisava - habilidoso e com bom toque de bola. Nesse time, escolhe a camisa. Já Herrera, acho um bom jogador, voluntarioso, que incomoda a defesa do adversário e cria chances de gol. O problema é que o homem está a seis meses sem jogar bola...assim como o Éder Luís, que parece estar próximo de voltar.

Com tanto "velocista", Yago ficou sem espaço e foi pros EUA emprestado. Já Thalles, que parece que é um rapaz que não está nem aí pra carreira e vai ficar pelo caminho, continua lá, infelizmente. Se o Renato Kayser, que já está treinando com os profissionais se esforçar, e o joelho recém-operado permitir, rouba a vaga de Thalles mole-mole.

Agora, resta falar sobre o Ronaldinho Gaúcho, se é que se precisa falar. O que está acontecendo é a mesma coisa que sempre acontece quando o dentuço sai de um clube; todo mundo corre atrás, e o Assis, que é um tremendo mercernário, faz seu leilão. 

Se eu acho que vai assinar? Não, não acho. O nome do Ronaldinho ainda atrai atenção no mundo todo, e o homem quer saber é de grana. E "grana" o Vasco não tem, mas os chineses/japoneses/mexicanos , sim. Ele vai pra onde oferecem mais dinheiro.

Se eu acho que ele ia somar? Acho que EM CAMPO ele poderia somar, sem dúvida, mas num plano geral, não tenho certeza. A gente sabe como é o Ronaldinho, quer saber do seu dinheiro e suas putas,o resto que se foda, e se não tá satisfeito, fica lá fingindo que joga sem problema nenhum. 

Uma coisa é certa; se podem pagar 300 mil pro Ronaldinho, dá para pagar num outro jogador diferenciado e mandar esse papo de "teto salarial" pras cucuia. Tem que se trabalhar é com um ORÇAMENTO, não interessa quanto ganha um ou outro, e sim quanto se gasta na equipe.

domingo, 21 de junho de 2015

Campeonato brasileiro, 8ª rodada; Vasco 1 x 2 Sport

Ainda não foi dessa vez, amigos. São cinco derrotas seguidas que completam o pior início de brasileiro da história cruzmaltina.

E o pior é que dessa vez podíamos ter ganho. O time é limitado, mas se entrega e algumas vezes falta mesmo sorte e calma. Calma essa que é impossível num momento como esse.

Não tem jeito, o caminho da virada é um jogo de cada vez. Não podemos nos desesperar, são apenas oito rodadas de trinta e seis e temos todo o tempo do mundo pra reverter essa situação. 

O Vasco não precisa ser campeão brasileiro em 2015, apenas ficar na série A, e parece que a torcida não entende isso. Eu tenho até evitado escrever nesse espaço porque, diferente de 90% dos vascaínos eu não sou desesperado e iludido. A taça do carioca é o alento da temporada, foi o ponto alto, o resto do ano, já sabia, vai ser de sofrimento, de resultados magros QUANDO vierem. O Clube não tem dinheiro para contratar, depende de jogadores que são donos do seu passe ou estão em final de contrato para se reforçar o reconhecidamente limitado elenco.

E justamente a taça do carioca fez o time entrar no brasileiro com o freio de mão puxado, deixando escapar dois resultados fáceis que poderiam ter deixado o time na parte de cima da tabela e nos feito jogar com mais tranquilidade o resto do ano. Não vieram, e logo depois começamos a maratona de jogos complicados ; Inter, Atlético-MG, Ponte Preta, Atlético PR, Cruzeiro, Sport e Flamengo na próxima rodada. Ninguém teve uma tabela tão complicada quanto o Vasco, que ainda por cima perdeu Martín Silva pro Uruguai na Copa América e Dagoberto para lesão nesse processo.

Doriva é questionado, o que não me surpreende. O que me surpreende é que ele é questionado desde o empate com o Inter, mostrando que, 1) a torcida não reconhece merda nenhuma mesmo e 2) a imprensa que tanto faz alarde quando um técnico é demitido e gosta de cagar em cima, é a primeira à questionar quando isso vai acontecer.

Eurico faz o certo dando apoio ao treinador campeão do carioca. Bem o mal, Doriva conhece o elenco, em um trabalho em curso, e não foi campeão por acaso - o Vasco jogou o máximo que podia no carioca. Sem limões não se faz limonada e Doriva tem uma cesta cheia de tamarindos, mas poucos limões, podem chamar o Pepe Guardiola que o Vasco não faria milagres - isso se pudéssemos contratar um treinador de grosso calibre, o que não podemos.

Ou seja; Eurico não tem opções melhores que Doriva, e faz que tem mas confia nele. (e pode ser que confie mesmo) Ou vocês acham que o Vasco vai melhorar alguma coisa com Sebastião Lazaroni ou Celso Roth? Ah, por favor! - Resta saber é se Doriva não vai amolecer e pedir o boné, mas torço para que ele aguente a pressão.

Limões que podem começar a chegar agora que nos aproximamos do fim da temporada européia/asiática - Já acertamos com Andrezinho e hoje com Herrera, ambos ex-Botafogo. Soluções? nem por isso, mas acrescentam ao time, sem dúvidas. Andrezinho pode escolher a camisa, e Herrera não fica atrás de Rafael Silva ou Riascos. 

Outros virão, segundo o presidente. Se é verdade, não sei, depende de vários fatores e inclusive um deles é os próprios aceitarem a política salarial do Vasco que faz o que pode, mas paga. Em dia.

Sinceramente a torcida do Vasco está presa no passado, acham que estamos no início dos anos 2000, mas estamos em 2015. O Vasco não pode ir buscar reforços quando bem entende, pagar quase um milhão para Ronaldinho, contratar destaque de time pequeno como se fosse fácil e não é - esses caras nunca pertencem ao clube e sim à um ou mais empresários. Não adianta espernear que "aqui é Vasco" como se a camisa jogasse sozinha, porque não joga. O Vasco é um time de tradição, grande, mas em sérios problemas financeiros,e os poucos jogadores de destaque que consegue é justamente pelo seu nome e tradição, porque salário mesmo, tem muito time pequeno por aí que gasta mais que o Vasco. 

E é em cima da folha salarial que o time tem que ser analisado no fim do ano. um time com a décima-oitava folha salarial do campeonato deve ficar em décimo-oitavo lugar. Qualquer coisa acima disso é lucro.

Eu acredito que vamos escapar sim dessa fase, porque temos mais qualidade de elenco que muitos times por aí, ao contrário do que a fase indica. E essa "fase" uma hora passa. Uma hora pegamos um Avaí da vida (não falta muito, é logo depois do clássico) e ganhamos, restabelecendo um pouco da confiança da equipe. Uma hora o Martín Silva volta (eu estou torcendo contra o Uruguai mais do que para o Brasil nessa Copa América), uma hora Dagoberto volta a jogar, Andrezinho estreia, etc. UMA HORA as coisas vão dar certo.





FICHA TÉCNICA 

SPORT 2 x 1 VASCO 

Local: Arena Pernambuco, em São João da Mata (PE) 
Data: 20 de junho 2015, sábado 
Horário: 16h30 (de Brasília) 
Árbitro: Anderson Daronco 
Assistentes: Marcelo Bertanha Barison e Jose Javel Silveira 
Cartões amarelos: Emanuel Biancucchi, Luan e Guiñazu (VAS); Samuel Xavier (SPO) 

SPORT 
Danilo Fernandes; Samuel Xavier, Durval, Páscoa e Renê; Rithely, Wendel, Neto Moura (Marlone) e Diego Souza; Maikon Leite (Samuel) e André (Régis) 
Técnico: Eduardo Baptista 

VASCO 
Charles, Madson, Rodrigo, Luan e Christianno; Guiñazu, Serginho, Jhon Cley (Rafael Silva) e Biancucchi (Julio dos Santos); Riascos (Julio César) e Gilberto 
Técnico: Doriva 

domingo, 14 de junho de 2015

Campeonato brasileiro, 7ª rodada; Vasco 1 x 3 Cruzeiro

Por Nildeval Sten:

Estou escrevendo 01 minuto após o jogo, mas nem preciso prever o futuro para saber que o Doriva vai cair. Pobre Vasco, seu destino, a cada rodada, se mostra certo. Perder de equipes menos expressivas tornou-se uma rotina no Vasco, imagine você tentar superar o atual Bicampeão Brasileiro, ainda que em São Januario. E olha que o Cruzeiro, tal como a Alemanha, sequer se esforçou para fazer 03, se assim procedesse, teria feito 10.



Milagres acontecem, basta acreditar. Somente um milagre poderá salvar o Vasco, apesar de ainda faltar “centenas” de pontos a serem disputados até o final do campeonato, cada rodada, se mostra um verdadeiro filme de terror, o qual, eu e você, passamos, por 02 vezes. Com isso, o mais otimista torcedor não acredita sequer em milagres, em trabalho, em craques...



O Vasco, após uma Inter temporada no interior paulista, parecia ter renovado as forças e a esperança do seu torcedor. Começou o jogo elétrico, mas pecou nas finalizações. Se tivesse um pouquinho de calma, poderia ter sucesso nas 03 oportunidades que teve na primeira etapa. Que diferença faz um atacante de qualidade. Verdade, eu sei, o Gilberto estava isolado no ataque, mas, nas poucas oportunidades que teve, sequer soube o que fazer com a bola. Já o Cruzeiro, na segunda chance, e na primeira do Leandro Damiao, não perdoou e praticamente fechou o caixão vascaíno, já no primeiro gol.


Triste realidade a nossa. Após um campeonato regional quase que perfeito, achávamos que o time, pelo menos, faria o suficiente para continuar na serie A, pois, após 02 quedas, seria o mínimo que este elenco poderia fazer, ainda mais diante de equipes que só estão no campeonato para servir de bode expiatório (no caso, o Vasco só não supera o Joinville).



Após a sétima rodada, com 11 gols sofridos e apenas 02 a favor (saldo generoso de menos 09), e ainda, com apenas 03 pontinhos, e sem perspectiva alguma, o pobre torcedor colocou as barbas de molho. Não pense você que estou torcendo contra, muito pelo contrario, a maior humilhação de um time da serie A, é exatamente a queda para a B. Se se confirmar (ainda é cedo para afirmar isso), será, definitivamente, o maior vexame já visto pelo Club de Regatas Vasco da Gama, outrora grande campeão... Alguém afirmou outro dia que o torcedor do Vasco já se acostumou com a serie B. Será? Após este jogo, não é que eu também entrei na pilha...


Mais uma noite de terror. Falta categoria a este elenco. Time perdido, morto em campo, jogadores completamente entregues, sem compromisso, inspiração, caráter, personalidade, responsabilidade, ciência de que está vestindo uma camisa de peso (caramba, até o Tostão já vestiu esta camisa). Detesto entrar no clima daqueles que justificam as derrotas dizendo que o campeonato está nivelado por baixo, que nosso elenco se equipara ao da maioria. Desculpas esfarrapadas. Mas (sempre tem um “mas”), não desmerecendo boa ou grande parte das equipes que disputam a serie A, fala serio, selecione uns 04 ou 05 times ai, o resto, é resto mesmo. Pense nisso. Abraços.


Próxima parada, Sport, Ilha do Retiro. O que você acha???

segunda-feira, 8 de junho de 2015

Campeonato brasileiro, 6ª rodada; Vasco 0 x 2 Atlético-PR



Por Nildeval Sten:




Definitivamente, o campeão carioca ainda não se deu conta que, no Campeonato brasileiro, quem não vence, cai.



Mais uma apresentação para esquecer. Com um time totalmente mudado, por contusão, suspensão ou jogador convocado para a Copa América, o que se viu, mais uma vez, foi um show de horrores por parte do Vasco.



Há de se reconhecer que o time até tentou, ou melhor, se esforçou, dentro do possível, mas, ainda não foi desta vez. Pra variar (já ficou cansativo), o Vasco foi vitima de uma arbitragem pilantra, sem pudor. Desde sempre, no futebol mundial, os jogadores se agarram nas bolas aéreas e ninguém marca nada. O Vasco serviu de bode expiatório. Palhaçada, falta de caráter...



O gol acabou por tirar o que havia ainda de esperança. Fora isso, um Vasco completamente horroroso, sem tática, jogada ensaiada, sem categoria. No primeiro tempo, o melhor lance foi o chute do Tales no Rafael Silva, isso mesmo. Na segunda etapa, a melhor chance do Vasco, foi uma bola na trave, e pasmem, o Rafael Silva usou a mão, mas a arbitragem pilantra não viu, ou, para tentar compensar, fingiu que não viu.



O desespero vascaíno era tanto que, aos 46 da etapa final, falta a favor do Vasco. Pensei: todos vão para a grande área, para tentar o que pode ser a ultima chance. O Rodrigo vai bater a falta e acaba “atrasando” a bola para o goleiro adversário, que, rapidamente a repõe e o Vasco acaba levando o tiro de misericórdia. Está complicado.



Sábado à noite, dia e horário esquisitos para o futebol, o torcedor para tudo e se prepara para ver seu time do coração atuar. Vem a derrota, desta feita para o poderoso Atlético Paranaense. Duro não?...



Próxima parada, o embalado Cruzeiro, em São Januario, será que agora vai? Uma chance de ouro para ganhar confiança. Um ótimo domingo.

quinta-feira, 4 de junho de 2015

Campeonato brasileiro, 5ª rodada; Vasco 0 x 3 Ponte Preta



Por Nildeval Sten:


Ao, ão, ão, segunda divisão.

Perdoem-me pelo clichê, mas é apenas o sentimento (e desabafo), que toma conta do torcedor vascaíno neste momento.


Quantas vezes você já ouviu ou leu isso?

“O Vasco tem time para ser campeão”.

“O elenco está no mesmo nível da maioria”.

“Essa fase vai passar quando vier a primeira vitória”.

“São Januario, Meu caldeirão”.

“Comigo no comando, o Vasco não cai”.


Enfim, Amigos, cair diante da Macaca, jogando em casa, e levando um olé, está mais para pesadelo do que esperança. Não se iluda, ainda vão aparecer vários pernas de pau neste elenco extremamente inchado, numa tentativa desesperada de salvar o time de uma possível queda, jogadores que não condizem com as tradições vascaínas. Tudo bem que não entendo nada de futebol (isso me parece ótimo), tem o lance do empresário, da vitrine e essas bobagens todas, verdade porem é que, em 05 jogos, assinalamos apenas 03 pontos, ou seja, 20%, e um futebol de terceira categoria. E mais, tirando o Martin Silva (que vai desfalcar o time em varias rodadas) e o Ginhazu (pelo espirito de luta e por nunca desistir), estamos totalmente perdidos e com destino quase selado. Nosso setor forte? Levou 06 gols em apenas 02 jogos e poderia ser pelo menos uns 10, que ainda assim, estaria de bom tamanho.



Feito o desabafo, vamos ao que interessa. Nem bem vamos respirar e já estaremos diante do líder Atlético Paranaense no sábado. Esqueceu? Eu lembro você do que aconteceu na ultima vez que o enfrentamos, a rigor, aquele fatídico jogo foi um verdadeiro filme de terror para o torcedor vascaíno. Portanto, o nervosismo, a ansiedade, a tensão e a adrenalina estarão, com certeza, presentes neste jogo. Comportar-se inadequadamente diante do adversário, ao estar perdendo e forçar a barra, como fez o Gilberto no jogo de hoje, ao provocar a expulsão, somente vai atrapalhar ainda mais o quadro sombrio que tomou conta deste elenco. Mais, o cara já havia perdido um penal, que poderia mudar a historia do jogo, e não marcava a duzentos jogos, Vamos com calma, o Sheik ainda nem chegou...



No campeonato brasileiro a regra pratica parece simples. Ganha-se o maior numero de jogos possíveis atuando em casa (dos grandes, fazendo o impossível, e dos pequenos, “atropelando-os”; fora de casa, ainda que apertado, ganha-se dos pequenos e faz o que for possível para arrancar pelo menos o empate diante dos grandes. A lição sabemos de cor? Pois é, a Chapecoense soma ate o momento o triplo de pontos do Vasco e oito vezes mais que o Flamengo, no famosíssimo dever de casa. 



O próximo técnico a ser dispensado será o Doriva. Esta tática é nojenta, desleal, desumana, mas uma pratica radicalizada no futebol brasileiro e que, se fosse valida para os dirigentes, poucos ficariam no cargo. Aqui, continuamos na torcida, ainda queremos muito ver pelo menos a metade da dedicação e garra demonstradas diante dos grandes no campeonato carioca. Uma coisa é certa: este time precisa entrar nos eixos o mais rápido. Fica nossa torcida. Claro, o nível do carioca é um e o do brasileiro é outro. Mas, será que os campeonatos Paranaense, Catarinense, Pernambucano e Goiano estão acima? Abraços.

terça-feira, 2 de junho de 2015

Campeonato brasileiro, 4ª rodada: Vasco 0 x 3 Atlético-MG

O Vasco entrou em campo com duas estreias; Diguinho no lugar de Serginho, que está lesionado ( e se não estivesse também não podia enfrentar o clube dono do seu passe), e Riascos no lugar do também lesionado Dagoberto.

Riascos não chutou em gol, basta dizer isso. Diguinho por outro lado jogou bem, está sem ritmo de jogo, mas tem claramente futebol para ajudar o Vasco, isso já era sabido. 

Fosse só isso, tudo bem. O problema é que a bruxa estava solta. O Vasco estava jogando bem, até surpreendentemente ofensivo na casa do galo, e aí... uma bola alçada na área passa por Luan que tropeçou, bate em Madson e sobra nos pés de Thiago Ribeiro que acerta um belo chute no canto.

Eram passados apenas 11 minutos do primeiro tempo. Depois disso, fora de casa, é difícil ir atrás. Pra piorar, Dátolo aos 19 minutos ampliou de cabeça, e aí virou farra. 

O Vasco jogou bem até o gol, aí desmoronou. A tensão dos cinco jogos sem vencer abateu toda a equipe, e não deu pra segurar o galo, que marcou mais um aos 43. O segundo tempo foi apenas de administração.

É preciso ser realista; era claro que o Vasco não tinha boas chances de ganhar esse jogo. Existe uma diferença de plantel palpável entre os times, e por mais que o coletivo ganhe campeonatos, o individual ganha jogos. Este foi um deles.

Fato é que o Galo precisa chutar onze vezes para chegar em gol. O Sport (que anda numa maré de sorte do cacete) quatro, e o Vasco.... quarenta e algumas vezes. 

O problema é do ataque? Eu achava que era a criação, mas já tenho dúvidas. Se é preciso chutar tantas vezes para achar o gol... sinal de que a coisa não anda bem na frente também.

FICHA TÉCNICA 

ATLÉTICO-MG 3 X 0 VASCO 

Local: Estádio Independência, em Belo Horizonte (MG) 
Data: 31 de maio de 2015, domingo 
Horário: 16h (de Brasília) 
Árbitro: Alisson Sidnei Furtado (TO) 
Assistentes: Alessandro A Rocha (BA) e Elicarlos Franco de Oliveira (BA) 
Renda: R$ 630.387,50 
Público: 17.958 pagantes 
Cartões amarelos: Rafael Silva, Yago e Diguinho (Vasco) 
GOLS 
ATLÉTICO-MG: Thiago Ribeiro, aos 11 e 43min do primeiro tempo; Dátolo, aos 19min do primeiro tempo 

ATLÉTICO-MG: Victor; Patric (Carlos César), Leonardo Silva, Jemerson e Douglas Santos; Rafael Carioca, Giovanni Augusto (Leandro Donizete), Dátolo (Dodo) e Luan; Thiago Ribeiro e Lucas Pratto 
Técnico: Levir Culpi 

VASCO: Martin Silva, Madson, Rodrigo, Luan e Christiano; Guiñazu, Diguinho, Julio dos Santos (Marcinho) e Riascos (Yago); Rafael Silva (Bernardo) e Gilberto 
Técnico: Doriva 

terça-feira, 26 de maio de 2015

Juninhos, Riascos e Dorivas


Ando com o tempo escasso para falar com vós, amigos. Mas tirei uma horinha para comentar alguns casos do nosso Vasco.

Quatro empates seguidos. Não é por falta de jogo, porque o Vasco está jogando bola dentro das suas limitações... é falta de pontaria, e um pouco de falta de criatividade também.

Desde o início sabíamos que, apesar de Eurico pedir um time que jogue ofensivamente, o estilo dos times do Doriva é outro; uma equipe dura de ser vencida, com aplicação tática e força defensiva, confiando em bolas paradas e jogadas individuais no ataque. É um futebol retrô.

Só que as bolas paradas pararam de entrar, e o ataque vive seca de gols. Isso quando o lance chega nesse estágio, porque temos quatro meias que não dão um 10.

Aí a diretoria me traz um volante (Jackson) e um atacante de velocidade; Riascos (que vai ter que jogar muita bola, porque começou mal ao dizer que preferia ficar no Cruzeiro), sem falar na volta de Éder Luís, que tem contrato com o Vasco até o fim de 2015.

Tá... e o meia? 

Para o Vasco ter um ano tranquilo, sem muita emoção, basta à esse time um bom armador. É aí que eu critico mesmo esse papo de "teto salarial"; um bom armador não ganha 100 mil. Futebol é assim; goleiro ganha muito, meia ganha muito, atacante ganha muito.

Aí vemos uma notícia de que o Vasco pode emprestar jogadores para o Macaé, e lista 20 jogadores! Caramba! Se cada um ganha 25 mil, dá 500 mil dilmas essa brincadeira aí! Tá bem, essas notícias são mesmo polêmicas; tem jogador ali que nem contrato vai ter dentro de um mês. Já outros, ninguém quer nem de graça. Mas com 500 mil, já pagaríamos um Fellype Gabriel por exemplo.

Assim, não dá mesmo para criticar o Doriva, que faz o que pode com esse elenco. Tanto é que já teve gente correndo atrás dele; o Grêmio. 

O bicho pegou nessa história aí. Eurico disparou contra o presidente gaúcho, que respondeu que a "coisa não é bem assim", e fato é que Doriva preferiu ficar. 

Eu elogio o cabra, que não largou o Vasco na mão ( e espero que o Vasco também não mande-o embora se perder meia dúzia de jogos), mas fato é que já estava na cara que isto ia acontecer; Doriva acabou de ser campeão carioca, tem um trabalho sólido e a confiança da diretoria. Está pela primeira vez num time grande, e sabia que não pode abandonar um projeto assim do nada, ou corria o risco de "se queimar" muito gravemente. 

Ou seja, ele preferiu ficar no garantido, do que abrir mão deste contrato de dois anos e pegar o Grêmio pós-Felipão com aquele time de bosta e ser demitido até o fim do brasileiro.

A falta de ética que Eurico reclamou é clara; buscar um treinador contratado em outra equipe. Só que a comparação que Juninho fez à rádio Globo dizendo que Eurico fez a mesma coisa quando o contratou, apesar de premeditada porque eles não se dão mesmo, é injusta; o Doriva não tinha uma semana de contrato no Botafogo-SP, nem mesmo encontrou os jogadores, ao passo que aqui ele está literalmente no meio do trabalho.

Infelizmente esse procedimento é comum no Brasil ( e porque não dizer outros países), os clubes não tem o que fazer; se o técnico aceita, tem o direito de rescindir (e pagar) seu contrato. Isso acontece muito, também, porque aqui a "dança das cadeiras" come solta, sem qualquer restrição por parte da CBF, que podia impedir que o mesmo técnico trabalhe em dois ou mais times da mesma divisão do brasileirão numa mesma temporada.





domingo, 24 de maio de 2015

Campeonato brasileiro, 3ª rodada: Vasco 1 x 1 Internacional



Por Nildeval Sten:


Ainda não foi desta vez que o torcedor vascaíno espalhado pelos quatro cantos do planeta deu o grito da primeira vitória no brasileirão. Incrível como o Vasco perde gols. Se o grande problema desta equipe é justamente a criação, hoje, ele passou longe, pois, foram varias chances, todas desperdiçadas. Se voltarmos um pouquinho, em 2011, onde, ficamos a apenas uma vitória do titulo, num campeonato onde empatamos pelo menos umas 15 vezes, a preocupação aumenta. O empate em casa é sempre preocupante.



O perfil do Vasco tem sido justamente começar o jogo partindo pra cima do adversário, sempre fazendo um ótimo primeiro tempo e depois caindo no segundo. Jogar contra o Inter e empatar pode ser considerado um resultado normal correto? Nem sempre. Agora, imagine você se estivesse em campo o D Alessandro, o Valdívia e todos os titulares? Covardia né... Por isso mesmo, Júlio dos Santos, Gilberto, Marcinho e Cia não podem se dar ao luxo de perder tantos gols, senão, o Nilmar, após perder um gol feito, quando cabeceou para fora, na segunda chance, não desperdiçou (e ainda reverenciou o ídolo Romário).



O gol vascaíno foi chorado e veio na base da luta, palmas para o garoto Lucas, que, de tanto insistir, acabou por salvar nossa noite e consequentemente nosso domingo.



Próxima parada, Atlético Mineiro, no Independência. A principio, o Vasco não tem chances, ainda mais sem Dagoberto, suspenso, e o volante Serginho, que pertence ao Galo e não poderá jogar. Portanto, o Vasco precisa treinar bastante as finalizações, senão... Três jogos, três empates, três pontos, por enquanto, estamos invictos, porem estacionados. Ficamos aqui torcendo muito pela primeira vitória, uma hora vem, que seja URGENTE.


Excelente semana.