segunda-feira, 21 de julho de 2014

Campeonato Brasileiro, 12ª rodada; Vasco 1 x 1 América-RN

Por Nildeval Sten:

Amigos - saudades.

Após a goleada imposta no meio de semana, no retorno a São Januário, desta feita, com apoio da torcida, esperava-se uma goleada, ou, pelo menos, uma vitória convincente. Incrivelmente o estigma São Januario continua nos perseguindo e, jogando em casa, o Vasco continua mal.

Foi um bom primeiro tempo, aliás, o futebol praticado pelo país afora, de primeira ou segunda divisão, continua sofrido, com o Vasco não poderia ser diferente. É a herança pós-Copa.

Após abrir o placar, num golaço de falta do Douglas, parecia que o Vasco definiria logo a parada, pois, com a equipe do  América procurando o empate, o jogo ficou mais dinâmico e somente o Vasco jogava. O Cleber ainda não está em sua melhor forma, mas já deu esperança ao torcedor. O que faltou hoje e parece cada dia mais carente no futebol brasileiro é aquele atacante matador, tipo Romário, Edmundo e os 02 Ronaldos. Este quarteto parece ter fechado o ciclo recente do futebol brasileiro.

Para a segunda etapa, o Vasco começou até criando algumas oportunidades com a entrada do Aranda, mas foi justamente o América quem dominou o jogo, buscou o empate, que veio numa atrapalhada sem precedentes de nossa defesa e, só não virou o placar, porque temos goleiro. Ainda tivemos um lance incrível já nos acréscimos, numa cabeçada a queima roupa defendida pelo goleiro, mas, se existe justiça no futebol, esta foi feita na tarde de hoje, e merecemos mais um empate jogando em casa, frustrante...

Para encerrar, o panorama do Vasco não mudou em quase nada, ou seja, o sofrimento, ao que parece, vai nos acompanhar até o final do campeonato. A classificação (nosso único objetivo), poderia ser menos dramática, aliás, com o atual elenco, ainda há uma pequena esperança de fazer um pouquinho melhor na Copa do Brasil, muito mais pelo sistema de mata-mata, que pela qualidade do elenco. Vamos aguardar.

Abraços e excelente semana a todos. 

quarta-feira, 16 de julho de 2014

Campeonato brasileiro, 11ª rodada; Vasco 4 x 1 Santa Cruz

Olá amigos, como vão?! Espero que bem como eu.

Pela primeira vez desde assumi o blog, este ficou um mês num hiato. Obviamente, devido à copa do mundo.

Eu poderia ter vindo aqui comentar sobre o acerto com a Umbro que vai exorcizar a Penalty, a contratação do Kléber Gladiador, que deve ser a melhor contratação do Vasco nos últimos tempos, depois do Dedé, ou sobre a quantidade de chapas protocoladas para concorrer às eleições, que todos tentam postergar para o final do ano. Mas não o fiz; preferi tirar uma férias do blog e do Vasco, assistir à maioria dos jogos da Copa, me inteirar sobre tudo que anda acontecendo. Findada a Copa, com aquele fiasco da seleção, é hora de voltar à realidade; série B, futebol fraco, time ruim e falta de organização, o exato oposto da Copa do mundo. Então vamos lá!

 

4 a 1. Quem não viu o jogo, mas abriu o jornal hoje e viu o placar, deve estar pensando que o Vasco daria um calor na Alemanha, ao contrário do Brasil!

Mas não é bem por aí:

Olhem as estatísticas da partida: http://www.futebol.com/brasil/brasileirao-serie-b/vasco-da-gama-x-santa-cruz-j1663952.html

Tirando os 2% de posse de bola a mais, o Vasco não foi numericamente superior em nada. Claro que uma vez na frente o Vasco recuou e deu campo para o Santa, ao final do primeiro tempo a posse de bola vascaína era de 59%, mas isso é apenas um indicador de como o placar foi generoso com a pontaria vascaína, que estava afiada.

O time melhorou? sim! A pausa da Copa, para ALGO serviu, o Vasco foi mais organizado, o meio campo não perdia a bola à torto e a direito, teve volume, e o ataque com o gladiador sabia segurar melhor a bola, como Adilson Batista mesmo comentou. Ela não batia no atacante e voltava, Kléber sabe bem fazer a função de pivô, segurar a pelota e distribuir, coisa que Edmilson e Thalles não sabem. Com três volantes o Vasco jogou melhor do que antes da parada da Copa, Pedro Ken compensa a falta de velocidade de Fabrício e Guiñazú. O primeiro deum uma qualidade de passe que o meio não tinha, isso ficava claro desde seu primeiro jogo, e não tem medo de bater de fora, como os dois gols deixou claro, e o segundo é fundamental para as ambições vascaínas, porque finalmente parece estar em bom ritmo, e aqui, um volante batedor com cara feia faz falta. Até na seleção fazia falta, porque o Luiz Gustavo é bonzinho demais.

Mas o destaque da partida não foram os dois gols do Fabrício, nem o primeiro de Kléber, de pênalti e muito menos o de Douglas Silva, apesar da cobrança de falta bem ensaiada, nem da bela estréia de Lucas Crispim.Foi a substituição com pouco mais de vinte minutos de jogo de André Rocha por Carlos César! 

Finalmente o Adilson batista botou “o pau na mesa” e sacou alguém antes que fosse tarde demais. Com vinte minutos o André já tinha tomado uma bola nas costas que resultou no gol do Santa, numa inexplicável falha de Martin Silva diga-se de passagem, e batido de canela ao tentar cruzar uma bola, só para citar o pior. No seu lugar entrou Carlos César, aquele lateral que chegou pouco antes da Copa, que mostrou mais futebol do que André jamais fez. Sofreu o pênalti inclusive.

Parabéns Adilson, pela melhora do time, que espero que se torne habitual, pela coragem de trocar um jogador que estava prejudicando o time antes que fosse tarde demais, e por ter finalmente mudado o time para melhor. Continuo não gostando de você e achando que não és técnico de Vasco da Gama, mas méritos para quem merece.

PS: O Gladiador, que estava abandonado no Grêmio, chegou bem. Querendo mostrar serviço, falando bem do clube, e esbanjando disposição, tudo que a torcida queria. Tecnicamente não foi bem, mas é um jogador que tem tudo para fazer sucesso no Vasco e pôr a carreira de volta nos trilhos, porque nos lembra do Animal, jogador com a cara do Vasco.

terça-feira, 10 de junho de 2014

Campeonato brasileiro, 9ª rodada: Vasco 2 x 0 Boa esporte

Por Nildeval Sten:

Até que enfim, após 04 empates chatos, 01 vitória, e a esperança de dias melhores. Ficaremos aguardando a retomada do campeonato após a Copa do Mundo.

Nem de longe foi o jogo dos sonhos, mas, ao final, o que importa são os 03 pontos e consequente melhora na tabela. Bom sempre lembrar que estamos com 01 jogo a menos, o que poderá, quem sabe, fazer a diferença lá na frente.

O Vasco começou como sempre, buscando o jogo e dando a falsa impressão de que faria diferente. Com apenas 02 minutos , o Diego Renan quase abriu o placar. Como vinha acontecendo anteriormente, o time caiu de produção, o jogo ficou horrível, e o restante do primeiro tempo foi de dar sono. Somente aos 30 minutos da etapa final, o Vasco, com as entradas de Dakson e Yago,  conseguiu finalizar, sempre com perigo, algumas jogadas. O Dakson, que vinha jogando mal, fez a diferença.

Como reclamamos anteriormente, hoje os atletas resolveram chutar mais de fora da área, quer seja nas bolas paradas, ou nas 02 tentativas do Dakson, sendo que 01 delas resultou no segundo gol.

O futebol é empolgante pelo que nos proporciona durante uma partida. Justamente quando o Boa Esporte estava melhor em campo, numa arrancada pela direita, o vovô Fabio Junior deixou seu companheiro de ataque na cara do gol, e ele perdeu o que parecia impossível.

O castigo veio em seguida e o Vasco, em jogada individual do Diego Renan, driblou 03 adversários, antes de concluir, no rebote do goleiro, o Edmilson fez o primeiro gol vascaíno. Pois bem, 02 minutos depois, o próprio  Fábio Junior também perdeu um gol feito, que poderia ter mudado a história do jogo. Novamente, alguns minutos depois, o Vasco “matou” o jogo com o merecido gol do Dakson.

Meus Amigos, a vitória não foi de encher os olhos. O time continua devendo no conjunto, se salvando apenas em jogadas individuais. O recesso para a Copa do Mundo da Fifa pode ser bom para que os diversos erros sejam sanados. O Vasco merece isso, o seu torcedor, muito mais.

Abraços, alivio (ainda que temporário) e até breve.

segunda-feira, 2 de junho de 2014

Campeonato brasileiro, 8ª rodada; Vasco 1 x 1 Portuguesa

 Por Nildeval Sten:

VASCO 1 X 1 PORTUGUESA

Você tem uma semana difícil, metas a cumprir, desentendimentos com seu chefe, reuniões no colégio de seu filho, finanças a serem administradas. Aí, chega o final de semana, alivio... Prepara a carne para o churrasco, põe a cerveja (no meu caso a coca-cola) para gelar, recebe a visita da sogra, ah, e às vezes até desmarca um cinema com sua família, tudo para assistir o jogo do Vasco. E aí...

Qualquer semelhança com você, que chegar a ler este post, não será coincidência, será a mais pura realidade.

Engraçado é que, apesar dos pesares, você ainda acredita no Vasco da Gama. Sabe como é né? Após jogar de portões fechados, fica aquela expectativa pela reação do time na volta ou reencontro com sua torcida, apesar do jogo longe de São Januario. E tem mais, um adversário que, a bem da verdade, está apenas fazendo a alegria dos demais times. Pronto, prato cheio para o Vasco enfim tirar a barriga da miséria.

Mais uma vez, a decepção.

O time até começou dando a impressão de que faria diferente. Foi logo criando oportunidades, com Guilherme Biteco se destacando. Incrivelmente, nosso ataque continua nulo e foi preciso o zagueiro Rodrigo sair da defesa para ir lá e mostrar como se faz. Aliás, por que cargas d!agua estes jogadores do Vasco não chutam a gol, principalmente de fora da área? ? ?

O gol animou o time do Vasco e sua imensa torcida bem feliz. Mas, para variar, nosso martírio estava selado. Num contra-ataque, logo a seguir, a Lusa marcaria, com um belo gol de seu camisa 10.

O Vasco teve um gol mal anulado, verdade. Porém, não mereceu nem o pontinho conquistado, a rigor, não fosse umas 02 ou 03 defesas do nosso goleirinho, a coisa teria ficado mais que monstruosa.

Não se deixe enganar pelo Vasco, tenha um excelente domingo.

Pitacos do Gago:

Se na série A essa sequência de empates já seria ruim, o que dizer da série B? Há tempo para deslanchar? Há. Mas o Vasco, de elenco mais caro ( de longe!) da série B, tinha por obrigação estar liderando essa joça.
Atenção que pediamos apenas isso; liderança. Não pedimos futebol bonito, não pedimos goleadas. Pedimos uma posição que reflita o investimento do clube.
É claro, futebol não se trata apenas de números. Se o fosse, Corinthians e Inter não poderiam ter sidos campeões mundiais contras os multi-milionários Chelsea e Liverpool.
Mas estamos falando de equipes milhares de vezes mais modestas, como Sampaio Corrêa e Portuguesa.
Engraçado é que, a nálise mais correta e honesta do Adilson Batista, foi feita por... ele mesmo, ao reconhecer que erra desde chegou ao Vasco. Erra na escalação, erra nas substituições, etc.
Erra é humano, ninguém quer cercear do direito ao erro, mas tudo tem limites. Não dá para o Vasco continuar insistindo nos erros, continuar nessa indecisão e esperar que as coisas melhorem por milagres. Estamos esperando uma sequência de resultados desde 2013 que teimam em não vir. Fomos rebaixados, como esperado, jogamos um carioca aos trancos e barrancos onde na fase final, empurrados pelo clássico, até merecíamos ter conquistado o carioca na vontade, não fosse (mais um) erro providencial de arbitragem para o Flamengo.
Certo é de que lá pra cá, nem ao menos na série B o Vasco deslancha. 
Ok, jogamos sem torcida, jogamos longe de casa... mas e quando pegamos a Lusa, que promete ser saco de pancadas em 2014, e em casa, somos dominados e merecíamos perder, com nossa torcida presente?
Já não há desculpas. Não tenho absolutamente nada contra o Adilson Batista, mas acho que esse trabalho dele no Vasco não vai render frutos. Tudo é conquistado com um esforço maior que o normal, quando é. Os gols são levados com facilidade, e feitos com dificuldades,quando são. 
Então, não dá pra aceitar. Se os adversários encaram o Vasco e jogam bem, um futebol fluído que leva perigo uma vez atrás da outra, por que o Vasco não? Esse papo de que "contra o Vasco todos jogam no contra-ataque" é verdade, mas só explica uma parte dos problemas. por outro lado, você já sabe o que vai encontrar em campo.
Antes da pausa da Copa, Adilson tem apenas o jogo contra o Boa Esporte, que pode selar o seu destino. Mas vejam vocês; a notícia hoje, ao invés de ser "Vasco decide manter Adilson", é "Adilson conversa com diretoria e decide ficar". Ora, como assim? Agora vão me dizer que o Vasco é refém de um técnico do calibre de Adilson?
Era só o que me faltava!
Sei que não estão disponíveis no mercado muitas opções,mas... quando estão?! Se é para insistir com Adilson e esperarmos sentados por resultados, eu prefiro confiar no Ricardo Gomes, que pretendia retomar a carreira de treinador.

quinta-feira, 29 de maio de 2014

Campeonato brasileiro, 7ª rodada: Vasco 1 x 1 Bragantino.

Por Nildeval Sten:

E a ladainha continua. Mais uma vez, o Vasco jogou mal, saiu na frente no placar, o Adilson conseguiu acertar o time na segunda etapa, mas, após fazer o gol, tirou um atacante, colocou um volante, o time recuou, levou o empate, e por pouco, pouco mesmo, não levou a virada.

Não Amigos, nem quero mais gastar adjetivos com nosso time, nosso clube do coração. Basta... Tal como no inicio da temporada passada, quando o Vasco já demonstrava sinais de decadência, agora, nossa maior preocupação é se o Vasco conseguirá subir, não interessando a colocação.

Nem vamos falar do jogo em si, que, apesar de movimentado, foi de um nível técnico horroroso. De repente, apesar de defendermos desde o inicio, que o Vasco vai subir, alguns detalhes chamam a atenção.

Primeiro, nossa diretoria não está nem um pouquinho preocupada com a situação atual do clube, passa a sensação de que camisa ganha jogo, ou seja, quando quiser, o Vasco dará a volta por cima. Seria o fato das eleições terem sido marcadas? É aquela velha história, se perder as eleições, que se dane quem vier...

Segundo, por não ver nenhuma evolução no time, rodada após rodada, ficamos a pensar. Como daremos a volta por cima com esta mesma comissão técnica e com o mesmo elenco? O que poderá mudar, ou melhor, o que me faz pensar que pode haver mudanças? ? ?

Prestem muita atenção na nossa situação. Se ganhasse do Bragantino, o Vasco ficaria a apenas 03 pontos do G-4, com um jogo a menos. Com o empate, ficamos a 05 do G-4 e a 07 do líder. Suponhamos que, com este futebol, o Vasco empate ou perca para a fraca Portuguesa, e os lideres vençam seus jogos, ao final da última rodada antes da Copa do Mundo, os lideres poderiam abrir 10 pontos...

Bagunçou sua cabeça? Vamos lá, ao final de 07 rodadas, de 21 pontos possíveis, o Vasco somou apenas 10, menos da metade. Só para se ter uma ideia, na serie B do ano  passado.
Palmeiras – 79
Chapecoense – 72
Sport – 63
Figueirense – 60.

Seguindo esta linha, o Vasco ainda tem 31 jogos a disputar, 93 pontos possíveis, e mais 50 para chegar no G-4, em quarto lugar, correto?Seria preciso mais que 50% (cinquenta por cento) dos pontos...

Preocupação prematura? ? ? pode ser, um antidoto? vitorias..., se possível já no sábado.

Abraços...



Pitacos do Gago:

Antes de começar Vasco x Bragantino, passava Ponte Preta x Paraná no Sportv, e confesso, me diverti mais vendo o jogo do outro time com faixa diagonal.
Contra o Vasco, todos jogam no contra-ataque. E o que devia servir de estímulo para o Vasco, é sempre motivo de preocupação. Parece até que o Adilson Batista não sabe disso, que imagina que algum time da série B vai jogar com a posse de bola, tomando a iniciativa.
Não vão. Pode até acontecer no decorrer dos jogos, mas jamais no primeiro minuto de jogo. Cabe ao Vasco ser o time grande, jogar com a bola nos pés, a posse dela e agredindo o adversário. Mas não vemos isso. Nesse jogo, só fomos chutar à gol no final da primeira etapa. Ora, como queremos ganhar assim?
Está chato, toda partida falarmos a mesma coisa; o Vasco tem a bola e não sabe o que fazer com ela. É a melhor defesa da série B, logo o problema não é sofrer gols, e sim marcar, tem um dos piores ataques.
Como é que pode o Vasco, treinado pela mesma pessoa desde o final da temporada 2013, ser tão pouco familiarizado com o gol?
Incomoda, chateia essa falta de melhora no time. Não dá pra entender como um pessoal que está desde Janeiro aí, em pleno Maio, possa dizer que não tem entrosamento. Daqui a pouco é Julho, a Copa se foi, e ainda vamos estar procurando desculpas. 
A coisa é bastante clara; se o Vasco tem o elenco mais caro da série B ( por muito!) tem por obrigação ganhar mais pontos. Matemática simples.
E o que vemos é um time jogar mal, mal, mal. Em décimo lugar, atrás de "potências" como América-RN, Luverdense, ABC...
E agora, só me falta ganhar da Lusa, que vai ser um saco de pancadas em 2014, e a coisa calmar....

sexta-feira, 23 de maio de 2014

Hipócritas!

Que o futebol brasileiro é comandado por um bando de canalhas, safados, ladrões, e acima de tudo hipócritas, todos já sabem.

Digo isto, porque em uma mesma semana, saiu o resultado do TJD sobre a briga da torcida do Flamengo entre si mesma, no jogo contra o Corinthians; nenhuma punição.

Engraçado, como no TJD existe dois pesos e duas medidas! Se a torcida do Vasco é massacrada em Joinville, ainda que reaja de maneira violenta, Vasco e Atlético são punidos exemplarmente, numa tentativa do TJD de pegar ambos “pra Cristo”, pra servirem de exemplo, porque afinal de contas, é hora de acabar com a violência nos estádios.

OK, eu não concordo, e nunca vou concordar, com o clube, não só o Vasco, ser punido pelo comportamento da sua torcida. Mas se é isso que vai acabar com a selvageria nos estádios brasileiros, que o Vasco seja punido com força e sirva de exemplo para futuras situações desse tipo. Mas não foi isso que aconteceu. O pau comeu feio na torcida do Flamengo, e os “caras” lá, como são Flamenguistas, em sua maioria, como um dos juízes mesmo admitiu, não punem o Flamengo. Amanhã, acontece outra briga com outro time, e como vai ser? Vão punir “à lá Vasco”, ou “à lá Flamengo” ?

E outra; Por que a CBF, responsável pela organização dos jogos e a administração do estádio do Joinville não foram punidos também, já que falharam em oferecer a segurança necessária?

Tanto estavam errados, que o Vasco vai encarar o Joinville no mesmo local ( e torço para que reine a PAZ!) e já foi anunciado que o esquema de segurança, mesmo envolvendo um clube e uma torcida muitas vezes menor que a do Atlético, vai ser bem diferente:

http://www.netvasco.com.br/n/147407/esquema-de-policiamento-e-configuracao-da-arena-joinville-apresentam-mudancas-desde-jogo-atletico-pr-x-vasco-de-2013

Ou seja; justiça nesse pais? nem no âmbito esportivo.

---/+/---

Num assunto não-relacionado; Vasco e Penalty estão próximos de anunciar o novo equipamento para o resto do ano ( aliás, ainda quero saber porque a Penalty lança as camisas no MEIO da temporada, como se o nosso calendário futebolístico fosse igual ao Europeu!). A camisa principal, como a Netshoes deu o mole de antecipar, vai ser assim:

http://www.netvasco.com.br/news/noticias16/arquivos/20140523-1028-1-_mini.jpg

Ok, a idéia é bacana, uma camisa reversível. Já que a moda é oferecer uma camisa verde-amarela pra homenagear a seleção, ainda bem que não inventaram de pôr o Vasco pra jogar com estas cores, o que seria um assalto às nossas tradições. Mas… precisavam repetir quase o mesmo design das horríveis camisas de 2013-2014? com aqueles chifres bizarros no ombro? E a cruz pátea precisava ficar no mamilo? E o logo do patrocinador precisava ser no umbigo?! Meu Deus do Céu, até uma criança de cinco anos faz coisa melhor que o departamento de design da Penalty!

E por falar em camisas, a Penalty prepara uma camisa do Vasco com as cores da seleção Portuguesa. Ok, legal, vamos torcer pra não seguir esse design da primeira camisa!

---/+/---

“Pro gasto”

O Adilson Batista não é técnico pro Vasco. pra série B, ele dava pro gasto, o Vasco subia com ou sem ele. Teve sua chance, mas na maior parte do tempo, fez o time jogar como uma autêntica equipe de série B, o que não somos. Até aceitava jogar assim na reta final do ano passado, numa tentativa de “Não perder” e se salvar do rebaixamento. Mas na série B, o lógico era que o Vasco jogasse levando o jogo para o adversário, e não sendo dominado por ele, como vem acontecendo. Desfalques, todos têm, inclusive o adversário!

Eu sei muito bem, e já disse aqui algumas vezes, que sabemos que o ano não vai ser um passeio no parque. Alguns jogos vão ser feios mesmo, ganhos (ou não) no detalhe… mas que o Vasco se comporta como time pequeno, joga mal, feio, pra trás… é inegável. A chance de todos saírem dessa relação é agora, que o bendito recebeu uma proposta do mundo árabe de um caminhão de dinheiro, e assim sai “por cima” e o Vasco se livra de mais uma multa trabalhista. Tomara que aceite mesmo, porque o momento não podia ser melhor; justo na pausa pra Copa do Mundo, período que pode ser usado como treinamento intensivo para o novo técnico. Mas esse “novo técnico” não pode ser os velhos conhecidos Joeis, Celso Roths… o Vasco precisa começar a pensar grande de novo, trazer quem sabe um treinador argentino como fez o Palmeiras, porque toda libertadores vemos os times brasileiros sendo dominados por equipes menores da Argentina, Chile, etc. E como trazer um treinador de fora do país é um trabalho de médio-longo prazo, a hora é essa, numa série B, para quem sabe chegar mais bem preparado na série A. Ou então um Tite!

E por falar em contratação, André Rocha, como já prevíamos, já desperta desconfiança. Ainda pior; não tem substituto, já que Diego Renan ganhou a vaga de Marlon na esquerda. Por isso, dizem que o Vasco já corre atrás de um nome pro restante da temporada.

quarta-feira, 21 de maio de 2014

Campeonato Brasileiro, 5ª rodada; Vasco 1 x 1 Sampaio Corrêa


Por Nildeval Sten:

A cada jogo o filme se repete. O Vasco tem maior posse de bola, o adversário acaba se matando em campo, apesar de sua condição técnica (afinal, o Vasco é o time a ser batido), e no final, ganhando ou não, nossa equipe geralmente sai criticada.



Embora com um jogo a menos, estamos em sétimo lugar na classificação. Ao final da trigésima oitava rodada deste sofrível campeonato, o mais importante será mesmo o G-4, pois, diferentemente da primeira queda, o torcedor vascaíno parece não ter engolido mais uma queda e o time vai ter que se virar SOZINHO.



Em algum momento do campeonato, o Vasco terá que tomar as rédeas, para que não possa se complicar naquela fase em que as rodadas ficam ainda mais enfadonhas, por isso, não se pode admitir que equipes como a do Sampaio Correa tenham tantas oportunidades de gol e os atacantes deitem e rolem em cima de nossa defesa. Nosso reserva do gol, nos fez rever o filme de 2013, apesar de que, embora tenha falhado no gol, não pode levar a culpa sozinho.



Imaginar que o Vasco vai chegar e atropelar todo mundo parece-me a coisa mais normal do mundo (ou pelo menos deveria ser). Curiosamente, mesmo após levar o gol, nosso time conseguiu a proeza de buscar o empate de forma desordenada, permitindo o contra ataque adversário, e, após quase levar o segundo gol, chegou ao empate aos 49 (quarenta e nove) da segunda etapa. A arbitragem, tanto criticada em jogos anteriores (geralmente com razão), desta feita, até que proporcionou um longo acréscimo (quase sempre de 02 ou 03 minutos), e permitiu o sofrido empate.



Não quero discutir e nem criticar nosso técnico, ficou chato, agora, enfrentar o poderoso Sampaio Correa com 03 volantes parece-me uma falta de confiança (para não dizer outra coisa...).



Um forte abraço e até sábado.



ps. Valeu Biteco.

domingo, 11 de maio de 2014

Campeonato Brasileiro, 4º rodada: Vasco 2 x 0 Oeste

Como eu disse: Não tinha dúvidas de que o Vasco subiria de qualquer forma este ano e não havia motivo para pânico. Ainda que queiramos ver a melhor, a tal construção de um time de série A..precisamos primeiro ganhar a serie B, e para isso vamos precisar muito desses resultados; vitórias feias, tal qual foi em 2010. E quanto mais cedo o Vasco, que já está no G4, assegurar a dominância, mais cedo vem a confiança em si mesmo e o futebol então vai fluir.

Este foi o último dos jogos do Vasco sem torcida, fruto daquela ridícula e injusta punição. E último jogo em São Januário, por sinal. Agora restam alguns poucos jogos antes da Copa, a serem realizados provavelmente em Volta Redonda ou ainda Macaé, e então a parada da Copa, quando será a grande oportunidade do Vasco contratar aqueles jogadores que nãos e encaixaram em outro clube,e ainda se livrar de alguns, como Willian Barbio que já foi, Bernardo idem, e quiçá Rafael Vaz;

 

A palavra do Nildeval:

 

Bastou ao Vasco engrenar a segunda vitória consecutiva para figurar entre os quatro primeiros colocados. Novamente não foi o jogo dos sonhos, mas, deu para o gasto, sem torcida, a coisa fica mesmo muito sem graça.

Um primeiro tempo com boas chances pelo lado do Vasco da Gama, acredite, quase teve gol de letra. Com uma equipe mais jovem, o Vasco tem melhorado um pouco sua movimentação. O Oeste não assustou na primeira etapa.

Precisando se impor, para ganhar ainda mais respeito, o Vasco veio com tudo para a etapa final. Foi dos pés do Felipe Bastos que surgiu a primeira oportunidade. Pois é, mas tem aquela história de que em campo, são 11 contra 11. Sendo assim, o Oeste teve a melhor chance do jogo, quando, ao defender com as pernas, no rebote, o goleiro vascaíno viu o atacante do Oeste perder um gol incrível.

Justamente na resposta vascaína, surgiu o primeiro gol com o estreante Rafael Silva, tocando no cantinho, sem defesa para o goleiro. Logo em seguida, novamente com Talles, o Vasco definiu o jogo, numa ótima cabeçada.

Meus diletos amigos, já deu para perceber que esta será mesmo a tônica do campeonato. Alguns jogos difíceis, chatos, porém, com um pouquinho de capricho, dificilmente o Vasco deixa escapar o objetivo...

Abraços, um excelente domingo e FELIZ DIA DAS MAES.

Copa do Brasil – Vasco 1 x 1 Treze –PB

Por Nildeval Sten

VASCO 1 X 1 TREZE

O mais importante hoje foi o Vasco ter passado para a terceira fase da Copa do Brasil. Não foi, nem de longe, aquele jogo que todos nós sempre esperamos. Acontece que, apesar do time não ter feito uma boa partida, do outro lado, estava um adversário fraco tecnicamente, e que, por milagre, conseguiu fazer o jogo de volta.

Ainda assim, tivemos mais um gol mal anulado, ainda na primeira etapa, o que se tornou praticamente uma marca registrada, já que, contra o Resende, pelo mesmo torneio, o Vasco também teve um gol legitimo anulado pela arbitragem. Nossa maior preocupação é enfrentarmos um adversário um pouquinho mais qualificado (como será daqui pra frente) e novamente a arbitragem nos prejudicar...

Os meninos continuam correndo muito e tem demonstrado vontade de jogar. Talles, Yago,  Marquinhos e Douglas Silva, que fez sua estréia diante da torcida,  e marcou o gol da classificação, estão, por enquanto, se empenhando ao máximo, para convencer o Adilson e principalmente a torcida vascaína que tem condições de vestir nossa camisa.

O setor defensivo continua devendo, isso porque, com as ausências do Rodrigo, e do Guiñazú um pouquinho mais adiantado, nossa defesa ficou frágil. No jogo de hoje, por exemplo, o Treze só empatou porque o Luan, bisonhamente, tentou atrasar, de cabeça, uma bola fácil para o Martin Silva.

O Vasco bem que tentou partir para cima desde o inicio, para definir logo a pelada. Contou com as defesas seguras do arqueiro Gilson, teve um gol mal anulado e viu o Marlon perder um gol inacreditável. Claro, Amigos, diante da Ponte Preta, nosso próximo compromisso, teremos que adotar uma postura um pouco diferente, pois, se o Treze faz um gol no final, a partida seria decidida nas penalidades máximas e poderia complicar. Mas, repito, o Treze estava totalmente sem folego...

Próximo sábado, mais uma partida sem torcida em São Januário diante do Oeste. A torcida do Atlético Paranaense foi quem causou todo aquele tumulto, e coube ao Vasco pagar a conta, infelizmente... Não creio que o Vasco vá sentir dificuldades, aliás, pelo ultimo jogo, dá para perceber que o Vasco, completinho, dificilmente será batido. Aguardemos.

Abraços e até lá.

Ps. Seleção brasileira sem Dedé, Fábio e Felipe Coutinho. Adianta o cara se matar durante quatro anos para na hora da cereja do bolo outro correr na frente e comer?...

segunda-feira, 5 de maio de 2014

Campeonato brasileiro, 3ª rodada: Vasco 3 x 0 Atlético-GO

Cansamos de dizer; quando o Vasco joga como VASCO, dificilmente perde.

Finalmente entramos na série B, com duas rodadas de atraso, mas entramos. Encaramos um jogo de série B com o espírito de um Vasco na série B; Altivo, consciente, mas implacável. Começamos logo metendo um de falta, e a partir daí foi levar o jogo na maciota, até chegar, vejam vocês, aos 3-0 com dois de Marlon, um herói improvável.

Com todos os desfalques, não entendíamos como o Vasco, muitas vezes maior que um Treze-PB, podia jogar sem padrão e timidamente diante desse adversário com todas as suas limitações. Afinal, só o salário do Douglas, paga metade da folha salarial do Treze-PB. É este o ponto em que queríamos chegar; ainda que na série B, ainda que desfalcado, o Vasco tem por OBRIGAÇÃO ser melhor que qualquer time da série B, pois tem um MUNDO de diferença entre ele e seus adversários. E contra o Treze, o Vasco ganhou com a camisa, jogando mal, e contando com o brilho desta jóia que é o Thalles.

Contra o Atlético, aí sim, jogamos como Vasco. Sabemos que não vai ser assim o tempo todo, haverão jogos amarrados, difíceis, haverão derrotas inclusive, mas queremos pelo menos, um time jogando de maneira coesa, um time que esteja à altura ao menos em comportamento, um Vasco da Gama, um time que não seja dominado e motivo de chacota e alvo de olés e toques de calcanhar, como foi aquela derrota ridícula para o Luverdense.

E por falar em Luverdense, já nesta partida eu havia comentado que era visível a diferença de comportamento entre um Yago e um Reginaldo. Contra o Atlético, olha que coincidência; Yago e Marquinhos, que se destacaram contra o Luverdense, começaram jogando, pondo Reginaldo e Montoya no banco, e foram, junto com Douglas e Marlon, os melhores jogadores do Vasco, que ganhou de 3-0 frente ao Atlético-GO, um dos candidatos à promoção.

Precisamos disso, de raça, de garra, de jogador que rale a bunda no chão, de mulecada que corra, como disse o Douglas.