quinta-feira, 21 de maio de 2015

Copa do Brasil, 2ª fase; jogo da volta - Vasco 0 x 0 Cuiabá

Por Nildeval Sten:

Lá se vão quase 300 minutos sem que esta equipe vascaína balance as redes. Sabiamente, o poeta, a muito declarou que “bola na trave não altera o placar”. Com isso, eu e você perguntamos: “O que nos aguarda o restante da temporada?”.



Até então, o torcedor teve toda paciência do mundo. Hoje, com razão, ela se esgotou. O negócio está tão esquisito que até a bola parada, o forte desta equipe, está sendo desperdiçada. Tá feia a coisa.



A Copa do Brasil premia quem faz gol na casa do adversário. Sorte, muita sorte do Vasco ter empatado com um golzinho fora de casa. Não dá nem para imaginar o que seria deste jogo, caso o Cuiabá tivesse feito um gol. E olha que eles tiveram boas chances, numa delas, até uma “meia bicicleta”.



Um placar de zero é muito ruim, mesmo quando se cria várias chances de gol e a bola insiste em não entrar. Ainda que o jogo seja movimentado, como foi o de hoje, principalmente no primeiro tempo, onde o Vasco poderia ter liquidado a fatura, ainda assim, o zero sempre irrita o torcedor.



Algo tem que ser feito urgentemente, pois, no sábado pegaremos o Internacional de Porto Alegre, que está voltado para a Copa Libertadores (perdeu de 1 X 0 para o Santa Fé, no jogo de ida), e, mesmo poupando alguns titulares, ainda assim, é uma equipe difícil de ser batida. Uma coisa é certa, este time está sob pressão, e um novo resultado não favorável poderá trazer consequências sem tamanho já na próxima semana.



Continuamos na Copa do Brasil (o que mais interessa, apesar dos pesares), mas cabe uma reflexão. O momento é de trabalho, mudanças no que tem de melhor (um elenco inchado não leva a lugar nenhum), voltar às atenções para o brasileirão e mostrar que o todo-poderoso tem razão (UGH), o Vasco está lá para brigar pelo titulo, viu seu Dagoberto... Poupem-me. Abraços.

segunda-feira, 18 de maio de 2015

Campeonato brasileiro, 2ª rodada: Vasco 0 x 0 Figueirense.

Na matinê de ontem, o Vasco teve chances de abrir o placar cedo no jogo, o que forçaria o time de casa a se abrir para procurar o empate.


Mas não foi assim. Uma série de azares e boas defesas do goleiro adversário, bem como falta de melhor pontaria do ataque, impediu que assim fosse. O Vasco foi superior durante o primeiro tempo, mas no intervalo o Figueirense se acertou e por pouco não chegou ao empate.


Eu compreendo que o time que ganha um título demore alguns jogos para pôr a cabeça no lugar. Compreendo que a rotina tem sido desgastante (do Rio pra Cuiabá, de Cuiabá pro Rio, do Rio pra Florianópolis e ainda jogar às 11h), mas fato é que o Vasco não ganhou dois pontos até aqui; perdeu quatro. Deixou de ganhar times que vão brigar contra o rebaixamento.


E a razão da falta de gols do Vasco nestes três jogos é simples e já cansamos de dizer. Doriva mesmo já sabe, tanto que escalou Dagoberto mais recuado, como armador. Não deu lá muito certo.


O que vai dar certo é o Vasco ir atrás de um MEIA. Contudo, hoje vemos o clube apresentar um volante, Jackson, e dizem que estão conversando com Riasco, atacante do Cruzeiro. 


Diretoria... não precisamos nem de uma coisa nem de outra. Precisamos de um CAMISA DEZ. Simples.

Mais detalhes, AQUI.

sexta-feira, 15 de maio de 2015

Copa do Brasil - 2ª fase; jogo de ida; Vasco 1 x 1 Cuiabá



Por Nildeval Sten:



O Vasco é atração em qualquer parte do mundo, no Brasil, em especial, nos Estados mais longínquos, os estádios sempre lotam, pois, geralmente, a festa é garantida. Pois bem, todos os ingredientes acima narrados estavam presentes, menos o futebol que sempre se espera do Vasco.



Ainda sem apresentar um bom futebol, apôs conquistar o estadual, o Vasco acabou por frustrar sua imensa torcida bem feliz. Com isso, cada torcedor, com razão, tem visto o time com certa desconfiança. Com sorte, ainda empatamos no ultimo lance do jogo, sempre, sempre mesmo, na bola parada.



A vantagem ou atração maior da Copa do Brasil é o gol marcado na casa do adversário, faz uma diferença enorme ao final dos 180 minutos. Por isso mesmo, o menor costuma surpreender e aprontar pra cima do maior. O Vasco precisa acordar. Está ficando difícil analisar o futebol individual dos atletas deste elenco, isto porque, tanto os titulares, como os reservas, quem entra, não esta correspondendo.



Aquela velha mania de dizer que ainda estamos em inicio de temporada e que o entrosamento virá com o tempo, precisa ser eliminada. Quem tiver oportunidade, tem que aproveitar com urgência. Provavelmente passaremos até com facilidade para a próxima fase, mas, se quisermos encarar times de maior expressão, como por exemplo, os 03 que foram eliminados da Libertadores nesta noite, precisaremos muito mais que lances de bola parada.



No momento, o Vasco tem se apresentado muito mal. O gol do Cuiabá, num jogo feio, só poderia mesmo acontecer num lance despretensioso do lateral, que, ao tentar cruzar a bola, acabou surpreendendo o goleiro Martin Silva, que ficou apenas olhando o lance. A rigor, numa barreira muito mal armada, o Rodrigo, enfim, voltou a balançar as redes.



Noite esquisita, futebol idem, voltemos nossa atenção para a segunda rodada do Brasileirão, em um horário pra lá de esquisito. Que venha nossa primeira vitória e aqueles preciosos 03 pontos que tanto aguardamos. Abraços.

segunda-feira, 11 de maio de 2015

Brasileirão 2015 - 1ª rodada; Vasco 0 x 0 Goiás

O campeão carioca começou mal a sua campanha no brasileirão. Fato.

"É daí pra pior!" -Pessimismo

"Temos muito o que melhorar" - Otimismo

"Com o Thiago Neves esse time melhora" - Ilusão

Escolham a vossa versão. Certo é que se esperava muito mais do campeão do Rio na estreia em casa. O Goiás, que tem um elenco BEM fraco, veio para se defender e mendigar um pontinho, amarrar o jogo, e conseguiu. O Vasco teve quase toda posse de bola, mas falando sério; não criou. Chutou duas bolas mais ou menos no gol adversário e olhe lá!

Doriva tentou com o que tem em mãos. O time foi o Mesmo que ganhou o carioca; com três volantes - Guina, Serginho e Julio, Dagoberto se movimentando por todos os lados, e Gilberto na área. É um esquema que vai dar certo com muitos times que vão atacar o Vasco, já para times que vão se defender, carece de criação.

Falta o "tal" camisa 10, aquele cara que crie as jogadas de perigo, que arrume um passe em profundidade no meio da área, como o Felipe fazia. Aliás, esse jogador está em extinção no Brasil!

No segundo tempo, Doriva tentou algo diferente; tirou um volante, já que o Goiás não tinha volume de jogo na frente, e chamou Bernardo para um sopro de agressividade. Depois sacou o cansado Dagoberto para a entrada de Marcinho. Não adiantou, o Vasco estava numa noite apagadíssima, esse jogo podia durar 5 horas que não sairia um gol de nenhuma das partes.

É chato falar, mas esse time competitivo e difícil de vencer que o Vasco se fez, vai irritar muito vascaíno no brasileirão. O Vasco se usa de bolas paradas e infiltrações pelos laterais, e numa noite onde ambos jogam mal, pouco cria. Cristiano irritou a torcida ontem, e Madson teve poucas bolas lançadas e nas raras jogadas que conseguiu, ou não passou pela marcação, ou quando fez, tentou cavar pênalti quando podia ter tocado para trás, onde fatalmente apareceria um vascaíno para finalizar. Por sinal, é curioso que Gilberto não receba UMA bola na cabeça, com aquela altura toda...

Eu acho que dessa forma, vamos arrancar muitos pontos fora de casa, mas perderemos outros muitos para times menores. Se vai ser suficiente, só o tempo dirá. 

Poderíamos falar em "contratações", mas, com apenas um jogo, vários jogadores que nem sequer jogaram, e um elenco completamente inchado... é inútil. Agora é esperar, todos sabem que no brasileiro a coisa é diferente, cada jogo é uma final e o nível é maior. É compreensível que um time que acabou de ser campeão, em poucos dias estreia no nacional e ainda não tenha pego o ritmo. Agora que a realidade bateu na porta, é torcer para 1) o time entender que não basta correria e 2) a diretoria tenha usado esse tempo não só para inchar o elenco, mas para avaliar o que tem de sobra e o que falta, e tire um coelho da cartola. 

Mais detalhes sobre o jogo em: http://www.netvasco.com.br/n/162472/vasco-empata-com-o-goias-em-sao-januario-na-estreia-do-brasileiro-0-a-0

sexta-feira, 8 de maio de 2015

Vai começar

Quem vence não tem muito tempo para comemorar. Neste fim de semana o Vasco já estreia no Brasileirão contra o Goiás, em São Januário.

Vergonhosamente, o campeão carioca não vai ter jogo transmitido ao vivo, a não ser por PPV. 

VÊ SE PODE!!!

--/+/--

Já temos foto oficial do campeão carioca:



Já até hasteamos a bandeira do Vasco na sede da FFERJ, em substituição daquele pano de bunda vermelho e preto:


--/+/--

Por falar em Vasco x Goiás, esse jogo deverá ser a estreia da nova terceira camisa do Vasco:


Pessoalmente não gostei. Vai vender, porque toda camisa 3 do Vasco vende, mas eu achei muito pouco inspirado. É quase uma cópia da camisa 3 da Ponte Preta de 2009, num esquema de cores requentado preto-dourado, que já deu certo antes com essa mesma diretoria.

Agora, para um pessoal que foi à justiça impedir que o Vasco jogasse com um uniforme azul, é uma tremenda hipocrisia lançar uma camisa preta e dourada, já que o estatuto do Vasco não faz nenhuma menção à esta cor.

Em todo caso, desejo que venda e muito. Camisa do Vasco nunca vai ser feia =)

--/+/--

Mas, falando de coisas mais importantes:

O patrocínio da Caixa, uns dizem que já está certo, outros que não vai sair. Eurico saiu pela tangente ao ser perguntado sobre ele, dizendo que, se o Vasco mostrar o mesmo Domingo, está com ele, senão, nada feito. Certo é que lá vão sete meses de propaganda gratuita para o banco estatal.

Eu compreendo que, nessa porra de país, para rir tem que fazer rir. O Vasco continua mostrando o logo da Caixa na camisa para "adoçar" o rabo do banco, que já levou uma freada do governo nestes gastos, exceto com os gambás,que é o time mais beneficiado pelo governo na história do Brasil.

Mas, já estamos em Maio, e se é para não sair esse patrocínio, então é melhor tirar logo da camisa, antes que algum iluminado do governo resolva vir pra cima do Vasco, como fizeram o pessoal da Eletrobrás.

Se é para trabalhar e não ganhar nada, prefiro morrer de fome, já diria meu pai. É por aí; se é para mostrar a marca deles e não receber, melhor pôr ali uma mensagem do plano de sócios (que ainda não saiu) ou coisa parecida.

E no que toca a reforços, o Vasco trouxe nestes dias Diguinho, ex-Fluminense, Júlio César, ex-Botafogo e hoje, Jacksom Caucaia, ex-Ituano, que trabalhou com Doriva inclusive.

Para o Júlio César tirar a vaga do Cristiano não precisa muito, já que o lateral fez poucos bons jogos nesse carioca. Já Diguinho vai se contentar em fazer os jogos que a dupla de confiança do técnico, Guiñazú e Serginho, não fizerem. Jackson é uma aposta, deve estar vindo de graça, não deve receber muito e é um jogador que o técnico conhece. A capacidade técnica, vamos deixar para julgar quando estrear.

Certo é que 20% do elenco nem chegaram a atuar este ano. Tudo bem que no brasileiro são 31 jogos, tem tempo para testar todo mundo, mas jogadores como Erick Daltro e Daniel Rozen nem mesmo perspectiva de jogarem tem.

A diretoria corre para emprestar esse pessoal e cortar uma parte dos vencimentos para abrir espaço de manobra, e começou pelo goleiro Rafael Copetti,que vai jogar no Bragantino até o fim do ano. Duro é encontrar quem queira os Sandros Silvas da vida...

E, num balde água fria previsível, JLM já avisou que, "quem chegar está condicionado à quem vai sair"

Nisso já perdemos a chance de contratar Fellype Gabriel, que preferiu a proposta do Palmeiras (como todo mundo esse ano. Quero ver de onde o palmeiras tá tirando essa grana....)

Esse papo de "teto salarial" é a maior furada. Não sabemos quando Fellype Gabriel vai ganhar no porco, mas o papo é que ele ganhava 300 mil na época do Botafogo. No Vasco, disseram que "não iam fazer loucuras" para contrata-lo, mas aparentemente pagar 20% do elenco para não jogar não é considerado "loucura".

Isso não existe! Não podemos deixar de pagar mais 50 ou 100 mil para um jogador diferenciado, para espalhar esse dinheiro em meia dúzia de cabeças de bagre! Com todo o respeito ao Jackson Caucaia, se juntarmos o salário dele e mais meia dúzia que a diretoria trouxe sem qualquer utilidade, como os Éricks (Daltro e Luís), talvez desse para pagar o Fellype Gabriel, que entrava como umaluva nesse time.

O que temos é que trabalhar dentro de um ORÇAMENTO para o departamento de futebol. Ok, a folha é de 2,5 milhões, então vamos pagar 2,5 milhões, nem que 1 jogador ganhe sozinho 500 mil e o faça por merecer.

Não quero bater na diretoria do campeão, para não desmerecer um trabalho que até então vem sendo bem-feito, mas para mim fica claro que no Vasco, tem meia dúzia de jogadores que estão ali para satisfazer empresário. (o que eu entendo, não sou nenhum iludido); O cara emprega dois jumentos aqui, para lá na frente, trazer alguém importante.... só que esse alguém importante até agora, NADA. Só roemos o osso, cadê a carne?! 

segunda-feira, 4 de maio de 2015

Campeão carioca 2015

O que vale o campeonato carioca? 

Nada.

E tudo.

Para o Vasco, vale o "cala-boca", a lembrança aos adversários que nós nunca deixaremos de sermos grandes, apenas temos alguns intervalos. Ano passado já podíamos ter colocado as coisas em seu devido lugar, mas todo mundo viu o roubo que foi.

Roubo que não teve em 180 minutos com o Botafogo, para provar que é só quando o império de Satã está envolvido que temos discussão de arbitragem.

Que se dane que o time do Vasco não é essa Brastemp toda. Que se dane que tivemos muitos pênaltis à favor, que se dane que o pênalti do Serginho foi discutível. O Vasco foi o melhor time do estadual, foi quem extraiu resultado do elenco que tem, foi quem passou absoluto por todos os clássicos decisivos. Fomos melhores. Fomos melhores que Fluminense, fomos melhores que o Flamengo e fomos melhores que Botafogo. Ponto. Ganhou o time que foi melhor. Se houveram pênaltis menos acertados, é a mostra que a sorte acompanha o  batalhador, e ninguém batalhou mais que o Vasco. O título vem fazer justiça para um time que foi sistematicamente roubado nos últimos seis anos, que já poderia ter sido campeão antes e não permitiram.

Tiramos da garganta o grito que estava engasgado, acordamos campeões do Rio, e o resto que chore, como já choramos de raiva antes. O Vasco é campeão e pronto, e se não foi justo, não sei que mais seria justo nesse mundo.

Agora é baixar a cabeça e manter os pés no chão, os mesmos pés-no-chão que levaram um time guerreiro, aguerrido a vencer o carioca. É hora de trabalhar duro, porque um time já foi esquadrinhado mas precisa evoluir e se reforçar para fazer um bom carioca.

E os reforços já começam a chegar: Júlio César, Diguinho e o conhecido Éder Luís.

Mas, "reforço" mesmo, é aquele no banco de reservas; Doriva fez história e é o primeiro treinador a ser campeão paulista e carioca em seguida. Esse cara é um iluminado, botou o Vasco para jogar bola, ser um time, e ainda que não joguemos "para frente" como o presidente quer, o Vasco joga para vencer.

E por falar em "iluminado" o quê dizer de Rafael Silva? 

PS: O campeonato que "tem que acabar" botou 66 mil torcedores no Maracanã, maior público de uma partida de futebol NO BRASIL em 2015.



Campeonato carioca - 2º jogo da final

Por Nildeval Sten:


O Vasco foi quem praticou o melhor futebol, por isso, mereceu. O grito do torcedor, entalado na garganta, poderia ter vindo bem antes dos longos 12 anos, não fossem tantos erros de arbitragem, alguns deles vergonhosos, como no ano passado. O novato Doriva é o primeiro técnico a ganhar os estaduais São Paulo/Rio de Janeiro em sequência. Como sustentamos neste espaço até aqui, o titulo estadual pode não ter tanto peso, porém, pela carência, e pelo empenho de todos os jogadores, da própria diretoria, ao investir dentro da nossa realidade, está de muito bom tamanho.



O Estádio do Maracanã estava totalmente lotado, com maioria absoluta de torcedores vascaínos, que proporcionaram uma festa inesquecível, o que vem provar que, com pouco, mas inteligente investimento, ainda se consegue atrair o torcedor, apesar dos preços absurdos praticados na nova arena. E o torcedor, mesmo quando o time esteve inferior em campo, não deixou de apoiar, que o diga o outrora “rejeitado” Rafael Silva, que se tornou uma espécie de talismã neste elenco.



Vamos comemorar e somente depois pensar no campeonato brasileiro. Precisamos sim, de umas 02 ou 03 peças para completar este elenco e deixá-lo, pelo menos, em condições de fazer um campeonato brasileiro digno de nossas tradições. Hoje, o futebol brasileiro carece de um centroavante “matador”, quer atue aqui ou no exterior, não o temos. O melhorzinho (na minha opinião) é o Diego Costa, que se naturalizou espanhol.



No jogo de hoje, tanto o Dagoberto quanto o Gilberto até tentaram, mas sem muito sucesso, apesar da vitória merecida. Vamos comemorar, a entrega das faixas fica para o jogo de domingo, contra o Goiás, na estreia do brasileirão/2015. Excelente semana a todos. Viva o Vasco.



terça-feira, 28 de abril de 2015

Campeonato carioca - 1º jogo da final


Por Nildeval Sten:


Jogo fraco, com pouquíssimas emoções. O resultado pode ser comemorado apenas pelo fato de ter revertido a vantagem botafoguense. O jogo em si foi monótono, e o placar mais justo seria o empate, mas no futebol, isso não existe.



O Botafogo começou a mil por hora e com apenas 20 segundos teve uma bola na trave, quando, inacreditavelmente, tanto a zaga, como o Martin Silva ficaram assistindo o lance. Por sorte, nosso goleiro ainda tocou na bola, que acabou batendo na trave. O Vasco, a principio, assustado, logo equilibrou a partida, mas criava muito pouco, não conseguia colocar a bola no chão e errava passes curtos. No primeiro tempo, teve apenas uma chance real de gol, desperdiçada pelo paraguaio Júlio dos Santos, que acabou chutando por cima. Em decisão, não se pode perder gol feito...



Jogo de 180 minutos, dificilmente as equipes se arriscam, hoje não foi diferente. O Botafogo ainda teve outra bola na trave, mas também pouco criou e acabou sendo castigado nos acréscimos. Notem que até o gol do Vasco, o goleiro Renan quase não tinha trabalhado. O gol acabou acontecendo no lance que tem sido o ponto forte dessa equipe vascaína, a bola parada. Falta cobrada pelo Bernardo, a bola atravessa toda a grande área, a zaga botafoguense apenas assiste, mas o fraco Rafael Silva, que entrara a pouco, atrás da linha da bola, acabou premiado no lance.



Ao Vasco, um gol importantíssimo para o restante do confronto. Semana inteira para trabalhar, recuperar o físico dos atletas, e jogar com o regulamento debaixo do braço. Apenas tomar muito cuidado com o empate. Já perdemos decisões importantíssimas anteriormente, por armar aquela retranca, tomar gol no fim do jogo, e não dar mais tempo de reverter o placar. Mas, uma coisa parece certa. Estamos com uma mão na taça, a outra, poderá, e certamente virá, no próximo domingo. Até lá e feliz semana, com mais um feriado. Abraços. 

terça-feira, 21 de abril de 2015

A hipocrisia não pára!


O Vasco está na final merecidamente. Foi, junto com o Botafogo que também está na final, o time que mais jogou no seu limite, mais rendeu com o material humano que dispõe.


Doriva está de parabéns. Houveram jogos ruins, claro, mas numa forma geral, seja lá como sejam as finais, o Vasco tem um padrão de jogo, uma meta, jogadas fortes como as de bola parada e outras nem tanto. Não à toa, o técnico chega à sua segunda final de campeonato em dois anos, em dois estados diferentes, e pode ser o primeiro campeão desta forma.


Já o Flamengo, que era quase unanimemente apontado como o favorito à vencer a competição, não disse à que veio. O defensor da liberdade de expressão, Luxemburgo, na verdade só está gozando de algum prestígio porque jogou para a galera com a papagaiada do esparadrapo, porque futebol mesmo, o Flamengo joga muito pouco. O Vasco foi superior nos 180 minutos dessa semi-final, e se o pênalti foi polêmico (mas não ROUBADO!) apenas fez justiça ao que se viu em campo.


Isso para não comentar daquela cabeçada do Rodrigo em que o paulo Victor quase deixa escapar, que "misteriosamente" não teve direito àquele tira-teima em 360º, na mesma baliza em que apareceu no lance do pênalti. "Mistério"....


Ainda sobre o pênalti, acho engraçado o tamanho da cara-de-pau dos flamenguistas. Em 2009 o MESMO árbitro, Rodrigo Nunes de Sá, apontou uma penalidade IDÊNTICA do lateral botafoguense Alessandro no do Flamengo, Juan, e José Roberto Wright declarou; foi pênalti.


Ora amigo, então que papo é esse que não foi pênalti?! Foi pênalti sim senhor, ao menos, um pênalti "à brasileira". 


Fosse um jogo de Champions League, o jogo seguiria, mas aqui no Brasil a marcação destas faltas é normal. Serginho "deu o corpo" para Wallace se chocar nele, e o zagueiro urubu, que é um tremendo BONDE, fez exatamente isso; chegou como um trem desgovernado derrubando o volante vascaíno.


Malandragem, esperteza, catimba? chamem do quê quiser. No dia que isso deixar de ser falta aqui no Brasil eu vou bater palmas para nossos árbitros, mas por hora É! Tanto É que FOI em 2009 e É agora em 2015!


Então como os flamenguistas se sentem no direito de reclamar?! Vale também lembrar que, esse daí de cima foi marcado numa FINAL de carioca. Se Para marcar pênalti numa Semi-final tem que ser "muito pênalti" como eu ouvi dizer na imprensa, para marcar numa final tem que ser o quê?! "muito, muito, muito pênalti" ?!


Oram, façam-me o favor! EU não marcaria pênalti, mas daí a dizer que foram roubados, sendo que o Flamengo é sumariamente favorecido pela arbitragem, ganhou um campeonato assim em 2014 e teve pênalti IGUAL marcado em 2009... é muita HIPOCRISIA! Ora, são dois pesos e duas medidas?!


E sobre o cartão amarelo para Gilberto, é verdade que Alecsandro foi punido por lance semelhante - ir na escadinha- mas também não é verdade que TODOS foram punidos. Como mostra ESTA matéria, apenas dois de quatro jogadores foram punidos por essa razão. Razão esta que SÓ existe para o Marcanã, diga-se de passagem.


Então meus amigos, vão chorar na cama que é lugar quente. Se o Eduardo Bandeira de Melo tivesse merda no cú para cagar, se fosse o "paladino da justiça" que se acha, teria chegado em 2014 após aquela GARFADA VERGONHOSA e teria sido o primeiro a dizer que ganharam no apito. teria ganho o meu respeito, inclusive.


O quê ele fez? fez pouco caso! E o tal "ganhar roubado é mais gostoso"? E o "melhor chorarem as mães vascaínas que a minha" ? Esqueceram-se? É..... quem apanha nunca esquece! 


Portanto, enfiem vossas reclamações no rabo e torçam. Vão tirar essas férias prolongadas que o Vasco lhes proporcionou para refletir no tamanho da hipocrisia que vocês sustentam e descer do salto alto.

---/+/---

Já que o choro é livre, o "excelentíssimo" Doutor Eduardo Cunha, presidente da câmara dos deputados do RJ, resolveu chorar também:



E os vascaiinos todos assanhados pela vitória de domingo.Acho que deveríamos fazer uma cpi para investigar aquele roubo



Ora, que legal! É sinal que o trabalho na câmara anda tranquilo, com tempo à disposição. Se é o caso, ele poderia investigar os clássicos desde 2009, sumariamente favorecidos pela arbitragem para o Flamengo.


Mas aí era capaz de ocupar toda a pauta da entidade até 2020!


Sinceramente, ver esse tipo de coisa vindo de um magistrado é ridículo. Mas não me surpreende; é um comentário de merda, vindo de um político de merda, mais sujo que pau de galinheiro que está, inclusive, sendo investigado na operação lava-jato!

A hipocrisia não páraaaaaaaaaaaa....

Campeonato carioca - Semi-finais, jogo de volta; Vasco 1 x 0 Urubu


Por Nildeval Sten:



Falei anteriormente que o Vasco tinha grandes chances de se classificar para a final e foi exatamente o que aconteceu, pois, jogou muito melhor que o adversário, nos 02 jogos das semifinais. A rigor, a muito que o Vasco vem jogando melhor, mas sempre garfado...


Os 02 times começaram em ritmo lento, sem se arriscar, o Vasco, precisando da vitória, se lançou mais ao ataque, mas sem apresentar qualquer perigo. As 02 melhores chances da primeira etapa foram do Flamengo, numa delas, o Martin Silva operou milagre.


Para o segundo tempo, o Flamengo cometeu um gravíssimo erro. Recuou demais, jogando em seu campo, tentando segurar o zero a zero, que lhe interessava, ou mesmo, definir o placar no contra ataque. Acontece que o Vasco se comportou muito bem, com Martin Silva totalmente seguro, defesa bem postada. O Vasco ficou dependendo de apenas 01 gol, e ele veio de bola parada, num lance de pura malandragem do Serginho. O juiz (enfim), fez justiça (em parte), por todos os anos em que fomos vergonhosamente roubados. No jogo de hoje, o Vasco já havia marcado gol, mas, quem teria peito para validar uma bola em que o goleiro, malandramente, tirou de dentro do gol? Na decisão do ano passado, a bola do Douglas entrou 30 centímetros e ninguém validou...


Não ganhamos nada ainda, mas estamos aliviados. No dizer do presidente, o campeonato a parte já tem dono. O outro, vamos aguardar. Semana de “zoação”, muito treino, recuperação de atletas e aquela tensão para o primeiro jogo da grande final. Sera que agora vai????? Abraços e excelente semana.