sexta-feira, 21 de novembro de 2014

O ano que vem (1)

Hoje começo a postar uma série de ..."matérias", sem querer soar presunçoso, sobre o Vasco. O título vi ser sempre esse " O ano que vem", porque é genérico e posso usar várias vezes. E também porque a criatividade anda em baixa.

É visível que o time, além de todos os problemas que se arrastaram pelo ano, ainda tem mais um para se preocupar e atrapalhar seu rendimento; Estamos em 24/11 e o Vasco mudou de "dono". 

Que Caetano não vai permanecer, é óbvio, e os jogadores sabem disso. Então temos um elenco de 30 e poucos jogadores, onde, tirando os prata da casa e uns poucos que já estavam aqui, a maior parte foi trazida por Rodrigo; uns por vontade própria, outros por indicação de Adílson Batista.

Tirando Martín Silva, Guiñazú, e os jogadores que subiram da base, ninguém sabe onde vai estar em 2015. Nem Douglas, que falem o que quiser dele ( para mim é o único sopro de criatividade no meio campo vascaíno) é o artilheiro da equipe, e nem atacante é!

É certo que vai haver um verdadeiro cataclisma no elenco vascaíno. Carlos Leite foi votar em Eurico, e já está de arestas aparadas com o Vasco. O presidente do Madureira, cujo nome me foge agora, foi visto na tribuna de São Januário com Eurico no último jogo. Coincidências? claro que não. O vendedor tem que visitar seus clientes de vez em quando!

Então podem contar com pelo menos um nome de peso no Vasco em 2015, do portfólio de Carlos, que pode ser consultado AQUI. ( o link é um pouco antigo e os jogadores podem ter trocado de clube, mas não de "dono").

Contem também com (após o carioca) nova farra de atletas dos times pequenos, fonte favorita de Eurico, como foi entre 2001-2008. O que não é necessariamente ruim, desde que seja feito de forma criteriosa, apostando em jogadores que se destaquem, não como foi antes; inchando o elenco de jogadores medíocres.

Até aí, nada me surpreende. No futebol brasileiro, time que não conta com empresário por trás, não tem jogador bom, e historicamente, os times pequenos sempre foram a maior fonte de atletas para os grandes de cada Estado. (só não pode pegar meia dúzia de uma vez, contando que "pelo menos um" vai vingar!)

Mas confesso que estou curioso. Normalmente não gosto de grandes reformulações, porque se perde todo o entrosamento que se construiu em um ano, e passa uma imagem ruim para quem poderá vir a ser sondado.

Mas, assim como o Barcelona teve de fazer com aquele elenco que ganhou tudo com Ronaldinho e depois amoleceu, e agora novamente com Messi...as vezes é preciso passar uma borracha. Identificar aqueles menos entusiasmados, comprometidos, que estejam rendendo menos, em suma.

Também acho que, matematicamente está provado que, ao longo termo, vence mais aqueles times que fazem um trabalho de longo prazo, com o mesmo técnico, e este com voz ativa na contratação. O brasileiro gosta de criticar esses jogadores "de técnico", mas na Europa por exemplo, é a coisa mais normal. Lá o treinador é parte integral da montagem do elenco, e também pudera; é ele quem vai ter de montar um esquema com aquelas peças!

Com Eurico, que demitiu treinador às vésperas de final de Sul-Americana, acho difícil. 

Mas, queira Deus, que pelo menos Joel não fique!

Quando ele chegou fui à favor. Achava que, pior que estava não ficava. E de fato teve bons momentos. Mas depois ficou claro mais um dos defeitos desse elenco; a falta de respeito. 

Divulgar vídeo de palestra é foda. É uma falta de caráter, de vergonha na cara. O filho da puta que botou essa porra no WhatsApp é um corno, e responsável por uma parte dos problemas do Vasco nessa reta final. Até essa merda acontecer, o Vasco não havia perdido, e de lá para cá, o trem descarrilou. 

Os jogadores não tem respeito pelo Joel, dizem que o Vasco não tem palestra, tem stand-up comedy. Uma tremenda falta de respeito com o clube que lhes emprega e precisa de seus FUNCIONÁRIOS (por que jogador não passa disso!), e com seu treinador, que queiram ou não, é superior na hierarquia. Mais que isso, é uma falta de respeito com um cara que tem um baita currículo, e querido por todos.

Talvez a carreira de Joel tenha chegado ao fim mesmo. Talvez não dê para voltar atrás para o futebol, depois dos "remove all the caspa em your shoulders", mas não era preciso mais que um Joel para o Vasco, com um elenco mais que qualificado para a série B, vencer essa porcaria, se houvesse um mínimo de união em volta do objetivo do Vasco.

Já mencionaram Gilson Kleina no Vasco, Vágner Mancini (que visitou o clube na última segunda), Deus sabe quantos nomes ainda vão surgir. Mas certo é que até acabar esse pesadelo de série B, não sabemos. Nem de treinador, nem de jogador.

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Campeonato brasileiro, 35ª rodada; Vasco 3 x 1 Vila-Nova

 

Vila-Nova rebaixado encarando o Vasco em São Januário. Há! Vai ser goleada!

Outra vez me enganei. Vimos um time que nos últimos jogos da competição deveria estar botando o coração na ponta da chuteira, mas que na realidade não podia ser MAIS apático. 

A falta de qualidade no futebol a gente entende. Não aceita, não concorda, não acha razoável, mas entende.

Agora, falta de vontade…é o bicho! Aí que nos mata de RAIVA!

Rodrigo disse que pediu para eles “tirarem o pé”, como se o Vasco precisasse que o Vila-Nova tirasse o pé…. e a resposta do adversário era a de que eles “precisavam aparecer”.

Acho que este é o problema. Ninguém no Vasco “precisa aparecer”, ninguém ali tem pelo quê correr arás. É um bando de velhos cansados e desanimados, refugos de outros times e jogadores que não teriam espaço em times de série A ou que estão em vias de se aposentar , ou pelo menos se aposentar de times grandes.

O Vasco é o craque aposentado que não aguenta meia hora de futebol na quadra do condomínio, correndo atrás “da molecada”. Lhe falta fôlego e um mínimo de vontade. Se limita a dar um toque de letra aqui, uma caneta ali, para os espectadores suspirarem… um “ohhh” ou “ahhhh” ali e acolá, e tá bom demais.

Série B, como os jogadores e o treinador cansam de dizer, “é diferente”. É mais correria e superação que qualquer outra coisa. E tirando o Guinazú, ninguém parece muito disposto à uma coisa nem outra.

O clima é de fim de festa. É daquela sensação que você tem, quando já está cansado e com vontade de ir pra casa, enquanto seus colegas ainda estão jogando na quadra do aterro as 11 da noite e você não vai embora para não estragar a brincadeira.

Felizmente os três pontos vieram, e isto nos deixa com 99% de chances de subir. Basta um ponto para garantir matematicamente, e ainda que percamos contra o Icasa (só o que faltava, perder para Icasa no Maracanã!), dependendo dos resultados, subimos já na próxima rodada.

-------

Foi sofrido, dramático. Ao final, valeram os 03 pontos e a classificação (ou quase), para a elite. Para não depender de ninguém, basta um empate no jogo de sábado, possivelmente com um maracanã lotado, ou, no último jogo, diante do Avaí, tarefa um pouco mais complicada.

Um primeiro tempo de um Vasco irreconhecível. Atuando diante de um adversário já rebaixado, nossa zaga fez uma lambança e quase que a coisa se complica. Por sorte, este elenco ainda possui pelo menos uns 02 ou 03 atletas que ainda se entregam por completo. É o caso do estabanado, porém raçudo volante argentino Guinhazu. Numa bola quase perdida, ele acreditou e o Vasco conseguiu empatar, ainda na primeira etapa, tranquilizando um pouco nossa torcida.

O segundo tempo até foi mais interessante, com o Vasco buscando logo a virada, e com o Vila Nova fazendo de tudo para segurar o placar, com isso, o Max Rodrigues apanhou pra caramba. Mesmo assim, o Vasco conseguiu virar o placar, com um bonito gol, em que tiveram os papéis invertidos, o Douglas fez o gol de cabeça, após cobrança de falta do Max Rodrigues. Embora não tão fácil, o terceiro gol acabou por aliviar nosso sofrimento. Aquela apresentação de gala ficou mesmo para o próximo ano.

Ao final da rodada, 03 equipes ainda podem alcançar o Vasco: Boa Esporte, Avaí e Atlético Goianiense.

Boa Esporte – Oeste (casa) e Icasa (fora);

Avaí - Santa Cruz (fora) e Vasco (casa);

Atlético Goianiense – Sampaio Correa (fora) Santa Cruz (casa);

Além destas equipes terem que vencer seus 02 jogos, diga-se de passagem, jogos dificílimos, o Vasco ainda tem que perder os 02. Uma combinação improvável. Se pelo menos 02 destas equipes empatarem na próxima rodada, o Vasco se classifica, mesmo não marcando pontos nos 02 jogos restantes.

Resumindo, o Vasco está classificado, mas continua devendo uma grande exibição e terá uma chance de ouro para faze-lo diante de um maracanã lotado, com a torcida toda a favor. Um jogo para ficar marcado na história do Vasco. Portanto, vencer é mais que obrigação. Depois, é só começar a planejar o ano de 2015, pensando em economizar, ainda no mês de dezembro, dispensando boa parte deste elenco e selecionado os poucos que deram certo.

Grande abraço e até sábado.

Por Nildeval Sten

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

O Vasco do "fulano"

No colégio, mais especificamente no segundo ano do colegial, tive um amigo que era igual ao Vasco. Isto é; igual à ESSE time do Vasco.

De cara você sabia que ele era muito melhor aluno ( pra não dizer "inteligente") do que eu ou qualquer outro da classe. Bastava ver no currículo escolar dele, oriundo de um colégio melhor, as notas que jamais eram menor que 8,9.

Mas tinha qualquer coisa errada com ele. 15 minutos de conversa era o suficiente pra perceber que ele não se sentia bem naquele colégio, não gostava das pessoas, da companhia, dos professores... sei lá! Não gostava de estar ali. Passou o ano inteiro no seu canto, na dele, sem incomodar ninguém, mas não havia dúvida alguma entre nós que o "fulano" ia passar de ano na quinta verificação (prova) [das seis existentes]. Talvez até na quarta! Ele mesmo contava com isso.

Acontece que veio a primeira verificação; e ele foi mal. Veio a segunda; mal. Terceira; mal... e a chance dele passar de ano antecipado, ficou pra trás.

Ainda assim, ninguém pensava que o "fulano" ia repetir de ano! ( e não repetiu mesmo, mas já havia começado um incômodo, uma pequena incerteza, talvez até "medo" de acontecer)

Então veio a quarta verificação, e pra nossa surpresa, a sua nota outra vez não correspondeu à expectativa. 

Bom, o "fulano" já era, a essa altura, famoso no colégio todo. Todos sabiam quem era o tal do estudante de Viçosa-MG, que estava na MABE só de passagem, que todos achavam que ia passar de ano antecipadamente e não conseguiu.

O "fulano" passou de ano na quinta verificação, sem maiores problemas, mas seu "caso" ficou famoso entre nós, e toda vez que alguém se gabava que ia passar de ano antecipado, brincávamos chamando-o(a) de "fulano".

Após a derrota ridícula para o Ceará, lembrei do "fulano", e fiquei abismado como as duas situações, embora totalmente diferentes, são semelhantes.

O Vasco tem um time muitas vezes superior ao Joinville, à Ponte Preta ou qualquer outro dessa série B. Não tem nenhum, "São Caetano" na série B. nenhum time forte disfarçado de fraco. Todo time que nos venceu, perdeu pra outros muito abaixo da tabela de classificação. O Vasco, assim como o "fulano", se deixou convencer pela mídia, pela torcida, e por ele mesmo, de que era muito melhor do que aqueles que estavam ali, e que "passar de ano" era apenas questão de tempo.

Acontece que os pais do "fulano", assim como nós torcedores do Vasco, contávamos com um ano tranquilo, com o Vasco (fulano) dando espetáculo, e não foi isso que aconteceu. A cada nota ruim do fulano, ele que já não se sentia bem ali, desanimava ainda mais, entrando num turbilhão de emoções e frustrações que lhe impediam de se recuperar e mostrar tudo que podia.

O motivo? Não sabemos. Nem ele sabia dizer. Ele dizia que não gostava do Rio, não gostava da comida, não gostava do colégio, que pegava um ônibus que demorava muito, que o colégio era longe... enfim, reclamava de um monte de coisas que eram parte da rotina de todos nós, inclusive de quem, como eu, passou de ano antecipado. Eu, que morava na baixada fluminense ( e o colégio era no Centro do Rio!), que vinha dormindo e voltava dormindo pra Caxias, que mal tinha tempo de estudar, e entre uma coisa e outra ficava numa loja, pois nem casa tinha....

Eu sou como o Joinville. Superei minhas dificuldades, porque nunca tive a impressão de ser capaz daquilo, eu me esforcei além da conta, e certamente não era nem de perto tão "inteligente" quanto o fulano. 

Da última vez que falei com o "fulano" ele tinha voltado pra Viçosa, ao seu colégio antigo, e sua rotina de notas altas. À sua zona de conforto, enfim.

O Vasco nunca esteve na sua zona de conforto em 2014, sempre teve uma série de problemas extra-campo ( e as vezes até dentro!) para atrapalhar. Não compreendo até onde um problema financeiro, ou do clube, pode influenciar a mente ( e o rendimento) de um jogador profissional, mas fato é, que foi assim.

Como o "fulano", o Vasco praticamente não corre risco de NÃO "passar de ano. Faltam três jogos para confirmar a volta; Vila Nova, Icasa (ambos na zona da degola) e Avaí, hoje em sétimo. O Vila-Nova, já está na série C, o Icasa vai vir com tudo... e o Avaí pode chegar na última rodada matematicamente incapacitado de entrar no G4, ou não, dependerá de seus dois próximos jogos.

Assim como os pais do "fulano" sabemos que é muito difícil não passarmos de ano, mas a pontinha de medo, existe,


Por; Gabriel Gago


Campeonato brasileiro, 34ª rodada: Vasco 0 x 2 Ceará




Uma rodada em que tudo o que o torcedor vascaíno tem a comemorar são as derrotas de Avaí e Ceara. Novamente, o Vasco perdeu uma excelente oportunidade de consolidar sua classificação para a elite, quando, poderia abrir preciosos 07 pontos do quinto colocado e somente administrar a classificação no restante do campeonato.


Uma tarefa fácil vai se tornando complicada à medida que a equipe vascaína vai se mostrando frágil e com um futebol sofrível, quando, contra equipes de menor porte, ao invés de entrar logo com um ataque em potencial, prefere nosso técnico escalar um time sempre mais cauteloso, com 02 ou até 03 volantes, claramente, abrindo mão da vitória, por um empate, isso sempre que joga fora.


O Vasco teve a semana inteira para treinar e o que se esperava era pelo menos muita vontade da equipe em buscar os 03 pontos, principalmente ao enfrentar um adversário que tem pouquíssimas chances de classificação a serie A do campeonato brasileiro. Sinceramente, o Vasco poderia já estar classificado com sobras.


Faltando ainda 08 rodadas, o Vasco ainda não definiu sua situação, ao contrario, quando parece engrenar, o time cai de produção e deixa seu torcedor apreensivo. Não resta duvida, o Vasco se encontra no G-4 mais pela fragilidade das outras equipes, que também não conseguem encaixar uma serie de vitorias, do que pelo seu futebol.


Um primeiro tempo irreconhecível da equipe cruzmaltina, que chegou ao gol somente 02 vezes, difícil ver o Santa Cruz dominar os primeiros 45 minutos. Na segunda etapa, houve uma melhora na equipe, que, se acertou em campo, criou, não muitas, porem boas oportunidades, mas que não soube converter em gols. Ao final, era nítida a falta de folego do Santa Cruz, que, sem opção, seus limitados atletas se lançaram ao ataque e fizeram o que parecia uma tarefa impossível aquela altura, proporcionando assim uma vitória que manteve acesa uma esperança mínima de classificação.


Continuo convicto de que o Vasco vai se classificar, não interessando a colocação, mas fica registrado aqui um pouquinho mais da nossa decepção com um time, ou um clube que está jogando mais com o nome e tradição do que propriamente com o futebol.


Próxima parada, América de Natal fora de casa, desta feita, sem tempo para treinar, quem sabe assim, o time se comporte melhor em campo? Abraços e até lá.

Por; Nildeval Sten

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Começou...




Se você duvidava do que seria o Vasco daqui pra frente, o Eurico já começou a dar as caras:


O primeiro assecla nomeado pelo ditador é ninguém mais ninguém menos, que José Luiz Moreira. Aquele mesmo, o "Zé do Táxi", vice de futebol em boa parte da gestão da década perdida. Aquele que, como outros cupichas de Eurico, trabalhou no Olaria e contribuiu para sua queda à série B do carioca.


Mas calma, que a pica só começou a entrar; Paulo Reis, antigo Vice jurídico de Eurico, também deve voltar!


Aos dois velhos escudeiros, provavelmente se juntarão novos nomes que vêm do Casaca, grupo de aliados políticos do futuro presidente: o historiador Sérgio Frias, o engenheiro João Carlos Nóbrega e o analista de pesquisas Henrique Serra. Todos estão cotados para cargos de diretoria. Fernando Horta, o presidente da Unidos da Tijuca será o 1º Vice-Geral.


O trio terá o auxílio direto de Euriquinho, filho do dirigente, e Antônio Peralta, vice-geral com Roberto Dinamite e que ocupará a 2ª vice-presidência. 


Filho de peixe, peixinho é. Euriquinho é aquele filho do euvírus que se envolveu em um monte de arapucas, venda de jovens da base, no Olaria junto com o Zé do Táxi...


E por falar em Euriquinho, eis uma declaração dada ontem por ele, respondendo ao Edmundo:





Por partes:


-Citar o caso do acidente do Edmundo é uma tática vil. Vale lembrar que ninguém menos que o seu papai, foi o maior defensor de Edmundo neste processo.


-Sele ele tem informações de um suposto esquema de agiotagem, mencionando (indiretamente) a Barra Music, onde Edmundo é sócio, que DENUNCIE. Agiotagem é crime e quem faz tem que ir preso. Se ele tem informações e não deu parte na Polícia, está sendo cúmplice. 


- "Dos ficha limpa contra os condenados" ? Quem é ficha limpa, Euriquinho!?!?!?!?! papai!?!?!?!?! Seu papai FOI CONDENADO A INDENIZAR O PRÓPRIO CLUBE QUE PRESIDE EM TRÊS MILHÕES DE REAIS, INDEVIDAMENTE APROPRIADOS POR ELE!!!!!!!! Que Piada!!!!


- "Que são fieis aos que ajudam" - bem papo de criminoso mesmo. Amigo dos amigos, né Euriquinho? "la cosa nostra".


- Se o teu pai é seu ídolo, sinto muito. Não escolhemos a nossa família, mas o resto sim...


--


Rodrigo Caetano não vai definir seu futuro sem antes escutar o novo "dono" do clube. Mas não se iludam achando que ele vai permanecer. Caetano é um profissional, recebe salário, faz um trabalho honesto com erros e acertos e não está no "círculo de confiança" do ditador. Além disso, não admite interferência no seu serviço. 


E alguém duvida que Eurico vá interferir? Então vejam só uma declaração dele mesmo: 


"- Comigo, todos, treinadores, executivos, seja lá quem for, têm autonomia, mas que autonomia é essa? Não é absoluta, é relativa. Aquele que paga a conta tem que sempre que dar opinião"


Ou seja; Todos têm autonomia. Só que não! #SQN


Em seu lugar, o favorito do ditador é..... Isaías Tinoco!!! Ele mesmo!! O nosso antigo gerente de futebol, que montou times maravilhosos, com craques da estirpe de Léo Macaé, Ely Thadeu, Ellinton, etc. Aquele que já trabalhou inclusive no Flamengo, ( o que é curioso, já que o Eurico reclamava que no Vasco não havia vascaínos) e que nesse ano pediu o boné no Guarani de Campinas. Obviamente um gente de futebol, alinhado com um clube da grandeza do Vasco....


Quer mais? 


Então se segura na cadeira, amigo. Porque ANTÔNIO LOPES pode voltar ao Vasco! Sim, aquele Antônio Lopes! 


Tenho respeito pelos eu currículo, pelo que fez aqui, mas para mim, Antônio Lopes morreu quando declarou que NÃO era vascaíno, e ano passado, na briga generalizada no Paraná contra o Atlético, entrou em campo e convenceu o juiz a continuar a partida, colocando o Antônio Peralta (ele mesmo) no bolso. Além disso, foi ao julgamento do ocorrido e declarou que a culpa FOI TODA DO VASCO (??) e que o Atlético não tinha "nada a ver com isso" !!!



Ou seja; Está claro que no Vasco, voltarão a mandar aquela mesma galera. Não mudou nada amigo, é o mesmo Eurico, e a mesma corja de sempre.



Seja o que Deus quiser!










terça-feira, 11 de novembro de 2014

Recaída


A votação começou as 8h e vai até as 22h. Agora são 14h30 e a boca de urna mostra que o candidato do charuto tem pelo menos, o dobro do segundo mais votado. Aquele, ex-presidente da FJV. E o triplo do Julio Brant.

Assim como a mulher de malandro que apanha e sai de casa furiosa, cuspindo marimbondos e falando mal do seu companheiro valentão, mas conhece outro que gosta de dar umas "raquetadas" e decide voltar para o primeiro, que "não era tão mau assim"... o Vasco parece que não se esqueceu da década perdida, dos anos de censura, desmandos, truculência, times ridículos, "Léos Macaés" da vida, sem patrocínio, MRV e Habibs...e quer tudo aquilo de volta. Quer tornar a pôr no poder, um candidato que foi JULGADO E CONDENADO a devolver 3 milhões ao clube que pretende presidir. 

É como re-contratar um funcionário que você despediu porque te roubava!!

O mandado do Dinamite foi ruim. O saldo final foi um título inédito, um vice-brasileiro, dois anos de futebol de alto nível, dois de série B e dois perdidos. Não satisfeitos, os sócios votantes preferem os ano (no singular mesmo) de título carioca, vices seguidos, contratos rasgados, imprensa expulsa e todo tipo de chacota.

Com todos os defeitos e fracassos do Dinamite, pelo menos, o Vasco se tornou um time mais simpático. Conheceu uma administração do futebol profissional, e não na base do fulano que é amigo do cicrano, fechou contratos de patrocínio (uns melhores e outros nem tanto) com valores divulgados à todos e não na base dos 7 milhões por ano (isso para quem dizia que era um absurdo o Vasco receber menos que Flamengo por direitos de TV), atendeu à demanda da própria torcida por um uniforme ... ou seja; nem só de rebaixamentos viveu o Vasco, algumas coisas muito boas aconteceram também (embora se pudesse fazer muito mais!), coisas que, sob a adm. Eurico Miranda, não voltarão. 

O caminho lógico de uma empresa, seria eleger um presidente com projetos ainda melhores, cercados de pessoas de bem interessadas na saúde da empresa.... 

... mas o Vasco não é uma empresa. o Vasco é um clube viciado em desmandos, viciado em "coronéis", em gente totalitária, em favores, trocas de influência e hierarquia "do charuto". Um pequeno país, onde o regime é o ditatorial e quem manda fuma charuto. (assim como Cuba, e olha o que lhes rendeu).

Os fundadores desse clube, e os dirigentes que se recusaram à expulsar os negros, essa gente interessada num clube democrático, aberto e simpático... devem estar se revirando no túmulo, porque o Vasco vai voltar a ser exatamente o oposto disso. Vai voltar a ser um clube que treinadores e jogadores não aceitam jogar, por causa de dirigente. Vai voltar a ser um clube onde quem contrata é o presidente, e o treinador que se foda aí pra fazer um time. Vai voltar a ser um clube onde, depois de uma derrota, a gente não vai saber o que acontece lá, por que imprensa não pode entrar. 

Enfim, não pensem que estes seis anos "melhoraram" o Eurico. Não pensem que ele tirou esse tempo para ler Voltaire, Descartes.... Eurico está mais para "o príncipe" de Maquiavel.

E o Vasco? o Vasco que se foda...em pleno ano de 2014, voltamos à ser um clube de século XX. Um balde de água fria para quem esperava ser livrar de Euricos e Dinamites, e ingressar onde outros clubes já estão. O processo de apequenamento do Vasco, continua à pleno vapor.

Se você, prezado leitor, é partidário de Eurico, espero que não se ofenda.

Campeonato brasileiro, 33ª rodada; Vasco 1 x 0 ABC-RN



Amigos, desculpem a demora em postar:




Este foi o jogo do ano para o Vasco. O objetivo? Vencer ou vencer, outro resultado seria uma catástrofe. Com a vitória, o Vasco praticamente carimbou o passaporte para a elite do futebol brasileiro. A comemorar, somente os 03 pontos, e a torcida, que compareceu em numero de 50.000 torcedores. Quanto ao jogo, tecnicamente, um dos piores da temporada.



Um primeiro tempo fraquíssimo do Gigante da Colina, que, esbarrou na forte marcação do adversário, com isso, apesar de ter criado incríveis 09 escanteios, não conseguiu aproveitar nenhum deles. Ficou claro que, o Vasco somente chegaria lá num lance de bola parada ou num erro do adversário. Pois é, foi exatamente o que aconteceu. Além de cometer a penalidade, o goleiro foi expulso, abriu caminho para o Vasco, e ainda a bola entrou chorando.



Para a segunda etapa ficou a expectativa de como o Vasco voltaria. Sinceramente, não da para entender porque manter 03 volantes fixos num jogo onde apenas a vitória interessa. O Vasco não conseguiu mudar em nada o panorama do jogo, diante de um adversário que simplesmente jogou o tempo inteiro na retranca, o Vasco não conseguiu criar jogadas de perigo, acabou se arriscando em levar o gol de empate e saiu de campo vaiado. Este time não tem criação nenhuma.



O quadro continua o mesmo, os times que estão logo atrás do Vasco não conseguem vencer, especialmente Avaí e Ceara, e o Gigante, com toda dificuldade, com a magra vitória, acabou abrindo 06 pontos para o quinto colocado, e com apenas 04 rodadas para o final, somente mais uma vitória carimba o passaporte vascaíno. A preocupação somente existe porque o Vasco ficou 04 jogos sem vencer, ainda assim, se houver a eleição, a nova diretoria já pode arregaçar as mangas e planejar o ano de 2015, com o Vasco na elite.



Ao torcedor, mais um ano para se riscar da historia tão vitoriosa do Vasco, ficando a expectativa de como a nova diretoria, seja ela quem for, vai se comportar e tratar o clube daqui pra frente. Não é fácil, claro, mas um clube que arrecada valores superiores a 150 milhões de reais anuais, merece uma atenção mais ampla do que esta das ultimas 04 administrações vascaínas.



Boa sorte ao Vasco na terça-feira, nossa torcida para que o Gigante fique sempre a frente de qualquer administrador, e ficamos aguardando a próxima vitória vascaína, aquela que selará o retorno a serie A. Grande abraço.





ps. Arbitragem séria, sem penalidades inexistentes, sem frescuras, resultado? Galo 4 x 1.

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Campeonato brasileiro, 32ª rodada; Vasco 1 x 1 Paraná

Irritante, intrigante, chato, nojento, descreva como quiser, o Vasco continua jogando mal e o empate hoje, pelas circunstancias, acabou como um premio. Enfrentar equipes que estão na degola tem sido um desespero para a equipe vascaína.


O inimaginável panorama do campeonato ganhou um ingrediente a mais. Equipes que não aspiravam qualquer chance de brigar pelas 02 vagas restantes ao G-4, agora, encostaram e farão o que for preciso para conseguir. Parecendo combinar (tipo um pacto), o trio Vasco, Avaí e Ceará resolveu não vencer mais. Esqueceram de avisar para o outro trio, Atlético Goianiense, Boa Esporte e Santa Cruz.


Agora são 06 equipes brigando por 02 vagas, já que Ponte Preta e Joinvile não participaram da brincadeira. Mesmo sem vencer a 04 rodadas e conquistando apenas 02 pontos dos 12 possíveis, ainda assim, o Vasco se mostra com melhores chances. Atenção, um outro resultado que não seja a vitória, na próxima rodada, ainda que não tire o Vasco da terceira colocação, deve, com certeza, complicar definitivamente a classificação.


O Vasco começou até bem, criando logo boas chances, mas sem assustar a defesa adversaria. Até a metade do primeiro tempo, somente o Vasco jogou. O Paraná foi se acertando, equilibrou a partida e teve as melhores chances, inclusive, com uma bolada no travessão, do velho e conhecido Lucio Flavio.


Esperava um Vasco diferente na segunda etapa. Exageros a parte, nunca vi um time errar tanto. Passes, cruzamentos, finalizações, cobranças de falta e escanteios. Enquanto o Vasco errava, o Paraná fazia sua parte, jogando no contra-ataque. Num deles, abriu o placar, num lance em que um robusto centroavante deixou o pobre zagueiro vascaíno no chão, aliás, este atacante deitou e rolou em cima de nossa defesa. E olha que o Vasco atuou com um homem a mais a partir dos 15 minutos do segundo tempo.


Diante de uma equipe inferior, com um homem a mais, com muito tempo para decidir, mesmo com este pobre futebol, todos davam como certa a vitória vascaína. Acontece que o Paraná só não liquidou a fatura por 02 motivos, primeiro, pela limitação de seus atletas, depois, em menor numero, chegou em um ponto onde seus jogadores estavam se arrastando em campo.


Nervosos pelo placar adverso, os atletas do Vasco faziam faltas desnecessárias. Único destaque vascaíno e melhor jogador em campo, o Max Rodrigues, acabou, mais uma vez, salvando o Vasco. Buscou incansavelmente o ataque, lutou (apanhou muito), inclusive, num lance individual, quase fez um golaço, após driblar 04 adversários. Ao final, o gol (chorado, nos acréscimos), tinha que ser mesmo dele, verdadeiramente o nome do jogo, rara exceção a este time do Vasco. As outras duas são o goleiro Martin Silva e o sempre incansável Guinhazu.


O Vasco tem o ABC pela frente, o mesmo que o eliminou da Copa do Brasil, tem a semana inteira para buscar a melhor escalação e não tem mais como cometer erros. Jogando em casa (maracanã) e com o apoio da torcida, espera-se, finalmente, os 03 pontos. Será? Abraços.

Por; Nildeval Sten

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Fastio

"Fastio". 


Palavra bonita, não? Até outro dia, não a conhecia, tamanho é o vocabulário da língua portuguesa. 


Fastio significa Ausência de apetite; inapetência. Sensação de aborrecimento; tédio.


É assim que eu vejo esse elenco do Vasco; sem apetite. Ninguém quer estragar o plano de levar o clube de volta à série A... mas ninguém está disposto a suar demais para ser campeão. Parece que jogar no Vasco está sendo um martírio, um castigo, uma perda de tempo, e não vêem a hora de esse ano acabar, pegar as tralhas e voltar para seus clubes. A não ser o Guiñazú, esse deve correr com sangue nos olhos até para ir no banheiro mijar!


Isso pode ser medido pelo discurso de Douglas Silva, Joel e 99% do elenco, de que "o que importa é subir", e "levar o Vasco para onde não devia ter saído". Ok, claro que NÃO subir seria uma tragédia, mas é uma VERGONHA o Vasco se contentar em ficar "entre os quatro". Engana-se quem diz que o vasco não "escreve em lugar nenhum" que foi campeão em 2009, oportunidade em que, caímos sim, mas fomos lá e fizemos o dever de um time grande na série B, que é ser campeão com folga.


Agora, parece que subir é o suficiente. Que ter uma folha salarial de dois milhões de reais, mais que o dobro que a Ponte Preta, que lidera a série B, não precisa ser justificado. Tudo bem, é o "futebol".


E por falar em justificar... o que justifica estar até hoje pagando Michel Alves, Nei e Sandro Silva para treinar em São januário? Já faz tempo que era claro que esses jogadores não teriam propostas para sair (como Renato Silva também não teve, mas entrou na justiça), então por que pelo menos não se usa esses jogadores junto do plantel? É para economizar Gatorade, passagem aérea, estadia em hotel??


Esse ano de 2014 está sendo um pesadelo. Ano passado, eu não pensava que cairíamos até a reta final do campeonato... e quando caímos, jamais pensei que estaríamos na série B brigando para "subir" tão somente. Então fico perplexo, preocupado, ao ver jogadores e técnico dizendo, em outras palavras que; Subir já está bom. 


Caímos, jogamos uma série B sempre mal, não revelamos nenhum jogador de base para se aproveitar, apesar de ter começado o campeonato experimentando Marquinhos do Sul e Yago, não definimos um esquema de jogo, criamos alternativas... nem mesmo um presidente escolhemos!


Então estamos chegando no final do ano sem um TIME ( ao contrário de 2009, onde fizemos um time-base com jogadores que mais tarde estariam na conquista da Copa do Brasil), sem revelar nenhuma novidade para 2015 (pelo menos botamos alguns jogos na conta do Jordi, mas muito pouco), com um número enorme de jogadores que figuram no time e que por questões contratuais, não permanecerão em 2015, e sem perspectivas do que vai acontecer na presidência do time.


Ou seja; 2014 vai ser um ano perdido. Em 2015, começaremos com um novo presidente, velhos problemas, e oura vez, correndo para formar um time.

Campeonato brasileiro, 31ª rodada; Vasco 1 x 1 Ponte Preta




São três partidas sem vitória. A principio, preocupante, mas, incrivelmente, os outros dois candidatos, que também disputam as duas vagas restantes, insistem em perder. Sorte do Vasco.



O Vasco fez um bom primeiro tempo, dominou a líder Macaca e merecia ter saído na frente, acabou pecando nas finalizações, perdeu pelo menos uns 04 gols (embora não tenha sido gols feitos), e faltou pouco, muito pouco, para definir logo o placar.



Para a segunda etapa, o panorama não mudou, e logo aos 03 minutos, o Vasco abriu o placar, de forma eletrizante. Tudo levava a crer numa vitória e consequente tranquilidade para o restante da temporada, porem, apenas 03 minutos depois, o Vasco levou o empate.



A partir deste momento, ficou escancarada a fragilidade deste time. Jogadores se perderam completamente em campo e passaram os outros 40 minutos correndo atrás da Ponte Preta. Desfalcado do Douglas, sua única esperança de criação (e de uma possível bola parada), o Vasco simplesmente não conseguiu mais chegar ao gol adversário, apresentando um futebol tenebroso.



Ao final, técnico e jogadores foram fortemente vaiados, com razão, a torcida não suporta mais ver em campo jogadores que parecem não ter compromisso com o Vasco. Após o empate, o time ficou afobado, começou a fazer faltas bobas e desnecessárias e o futebol deixou, mais uma vez, muito a desejar.



O cenário poderia ser de horrores, mas, ainda estamos a 02 pontos do Avaí e a 05 do Ceará. Como o nível do campeonato é baixo, o Atlético Goianiense, que vem em seguida, aparece com 49 pontos, quer dizer, teria que engrenar uma difícil sequencia de vitorias. Apenas alguns detalhes precisam ser observados, neste primeiro momento.

- O numero de vitorias do Vasco é baixo;

- Ainda enfrentaremos nossos 02 candidatos diretos, fora de casa;

- Diante do fraco Paraná, em Curitiba, somente a vitória interessa.



A vaga do Vasco continua garantida, repito, mais pela fragilidade das outras equipes, principalmente as que estão logo atrás. Parece-me que um aproveitamento de 50% garantirá a vaga, ainda que em quarto lugar. Claro amigos, todo cuidado é pouco, Abraços e até sexta-feira.

Por; Nildeval Sten